O PESADELO DE MORO COMEÇA NO CÁRCERE DE LULA

Lula deixou o prédio da superintendência da Polícia Federal em Curitiba no dia 8 de novembro do ano passado. Ganhou a liberdade depois de 580 dias encarcerado por sentença de Sergio Moro.

Saiu pela porta da frente e foi direto ao encontro do povo que o esperava na rua.

Menos de cinco meses depois, Moro entrará hoje à tarde pela mesma porta (ou será pela porta dos fundos?) para ser interrogado no inquérito que apura suas acusações contra Bolsonaro.

O depoimento deveria ter transmissão ao vivo, como faziam na Lava-Jato, quando Lula era interrogado na vara especial de Moro. Lula ficava diante de um grupo de procuradores escalados pelo juiz, porque Moro mandava em tudo e em todos.

Hoje, ele enfrentará três procuradores da República na sala de interrogatório, escalados pelo procurador-geral Augusto Aras, e pelo menos mais dois delegados federais.

O depoimento deveria ser acompanhado por todos os brasileiros, pelo didatismo e pela chance única de ver um ex-magistrado-acusador (Moro se comportava também como membro do Ministério Público) agora como acusador sem toga e sem poder.

Os delegados que vão ouvi-lo são do Serviço de Inquéritos Especiais (Sinq), grupo responsável pelas investigações que tramitam no Supremo.

Os policiais são subordinados ao Departamento de Combate à Corrupção (Dicor), dirigido pelo delegado Igor de Paula Romário, chefe das operações da Lava-Jato em Curitiba e homem de confiança de Moro. Já ministro, Moro o levou para o Dicor.

O ex-bolsonarista estará em casa. Igor é o famoso delegado do grupo de WhatsApp que em 2014 torcia em mensagens pela vitória de Aécio e chamava Lula e Dilma de duas antas.

Todos eram delegados. As mensagens foram vazadas por um deles para o Estadão. Dilma venceu, mas não aconteceu nada com nenhum dos torcedores, tanto que o chefe da turma está aí, ainda poderoso. Não se sabe até quando.

Moro enfrenta uma inversão de papeis. Aras abriu o inquérito para que o ex-juiz apresente provas, não como fez no processo do tríplex contra Lula. Ali, Moro acusava e dizia que provava, mesmo que não provasse nada.

Agora, ele é o acusador submetido às liturgias que nunca seguiu. Se acusou, desta vez terá de provar.

Não é mais juiz, não tem foro privilegiado, não tem mais os amigos do bolsonarismo que o protegiam. É Moro contra Aras, Bolsonaro e a extrema direita agora inimiga.

Se não tiver provas, vai passar por um constrangimento inimaginável para os reacionários e fascistas que o idolatram.

A acusação que fez não é apenas a de que Bolsonaro interferia politicamente na Polícia Federal. Moro disse que, na última conversa, Bolsonaro admitiu que interferia.

Vai ter de provar a interferência e terá de apresentar provas de que Bolsonaro disse que de fato agia para ter o controle da PF. Moro grampeou o último encontro com o homem?

Enquanto Lula esteve preso, todos os dias grupos gritavam do chão para o alto, em direção à cela no quarto andar, e saudavam o ex-presidente.

Sergio Moro pode se lembrar disso quando estiver lá dentro hoje e assumir diante do delegado, na condição de testemunha e delator informal, o compromisso de que irá dizer a verdade.

Começa para o ex-juiz o pesadelo que Lula havia previsto.

6 thoughts on “O PESADELO DE MORO COMEÇA NO CÁRCERE DE LULA

  1. Por que o depoimento de moro acontece em curitiba e não em Brasília? Será que ele vai voltar de carona com o jato da fab?

  2. Vc disse que Lula e ladrão, pq vc não apresenta as provas seu lixo.
    Se a PF não teve provas sei estrume.
    95% das pessoas que chamam Lula de ladrão nem se quer sabem o que ele roubou. Babaca inutil

  3. Discutir com bolsominios tipo este intitulado luiz Inácio é como se diz aqui no SUL: é gastar cartucho em chimango. E quem joga Ping pong com quem sabe menos, desaprende.

  4. Ele “deixou o prédio da superintendência da Polícia Federal em Curitiba no dia 8 de novembro”, para jogar um BALDE DE ÁGUA FRIA NAS PESSOAS, dizendo que não queria o impeachment de Bolsonaro. Antes tivesse ficado lá. Para mim ele e a esquerda provaram ser farinha do mesmo saco.

    O mesmo com Collor. Tiraram Collor, mas não suas ideias. Uma delas as privatizações, contra qual, anos depois, Lula NÃO FEZ NADA. Na época do Collor, a esquerda dizia a mesma coisa.

    Até Bolsonaro jurou que metralharia FHC por estar privatizando. TUDO FARINHA DO MESMO SACO! QUANDO BRASILEIRO VAI APRENDER?? Pelo visto NUNCA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


5 + 6 =