OS AMIGOS DE BOLSONARO

Bolsonaro deu emprego a mais de 6 mil militares no governo, muito mais do que no tempo da ditadura.

Muitos dos que conseguiram emprego são os coronéis do Ministério da Saúde, da turma de Pazuello, denunciados pela CPI do Genocídio por suspeitas de envolvimento com a compra de vacinas de quadrilhas de Brasília.

Mas o próprio Bolsonaro admite que não foi pela competência ou pelas habilidades, foi por amizade.

Foi o que ele disse em discurso hoje:

“Alguns criticam que eu botei militar demais no governo, mais até, proporcionalmente, do que os governos de Castello Branco a Figueiredo. Sim, é verdade, é meu círculo de amizade. Assim como de outros presidentes foram outras pessoas, era o círculo de amizades deles”.

Os outros presidentes, acusados de empregar amigos, vão ficar quietos?

____________________________________________________________________

MÃES
Uma curiosidade incômoda: quem são, o que fazem e o que pensam da vida os que ainda mantêm as mães internadas na clínica da Prevent Senior em São Paulo?

____________________________________________________________________

OS INCENDIÁRIOS
É revelador do baixo prestígio dos militares com a grande imprensa a reportagem do Globo que inclui os três generais acima entre os incendiários de Bolsonaro, ao lado dos conhecidos civis extremistas no governo, incluindo os filhos, Onyx, Damares e agora até Queiroga.

____________________________________________________________________

A CNN E O DESCOMENTARISTA
A situação de Alexandre Garcia na CNN era tão esdrúxula que não deve existir nada parecido no jornalismo mundial.

Garcia fazia um comentário defendendo a cloroquina e logo na sequência outro comentarista aparecia, apressado, para dizer tudo ao contrário do que o sujeito havia dito.

Eram sempre as mesmas cenas malucas desde o começo da pandemia. Foi o que aconteceu na semana passada e que provocou sua demissão (o vídeo está logo abaixo).

A CNN demitiu Garcia quando alguém se deu conta de que o ex-porta-voz da ditadura recebia um salário para mentir sobre tratamentos precoces e que a CNN pagava outra pessoa para desmenti-lo ao vivo e imediatamente.

A CNN pagava um sujeito para dizer o que não deveria ser dito em
meio aos horrores da pandemia, sempre com ar de cientista sabichão.

Eram as mentiras mais caras da TV. A CNN havia inventado a figura do apresentador descomentarista, só por causa dos comentários de Alexandre Garcia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


8 + 4 =