OS CADÁVERES DA DITADURA URUGUAIA

Os uruguaios não param de encontrar cadáveres e identificar os assassinos da ditadura dos anos 70 e 80, enquanto no Brasil os torturadores são elogiados por quem está no poder.

Agora, as informações que estão impactando o país e não saem das capas dos jornais tratam das confissões do coronel reformado Gilberto Vázquez (na foto maior).

Vázquez confessou participação em torturas e no desaparecimento de inimigos da ditadura diante de um tribunal militar.
A confissão foi feita em 2006, mas só agora as atas foram divulgadas.

As revelações se juntam ao fechamento do cerco contra o general reformado e atual senador Guido Manini Ríos.

Manini Ríos está sob a ameaça de perder o mandato por ter ocultado informações que sabia da ação de criminosos da ditadura.

O general foi candidato a presidente nas últimas eleições, pelo partido Cabildo Abierto, mas não deu certo como o Bolsonaro do Uruguai. Teve apenas 11% dos votos no primeiro turno.

Manini Rios é da extrema direita, com um complicador. A acusação contra ele, de ocultação de informações mais recentes sobre a morte de um militante de esquerda, em 1973, envolve seu período como chefe do Exército da Frente Ampla, entre 2015 e 2019, no segundo governo de Tabaré Vázquez.

O general senador apoia o governo de Luis Lacalle Pou, mas até os líderes blancos, do partido de Lacalle, estão pressionando o extremista a se explicar.

A situação do torturador Gilberto Vázquez (que não teria parentesco com o ex-presidente) também é complicada, porque sua confissão foi feita em 2006.

Tabaré também era presidente em 2006. A pergunta é: Tabaré ficou sabendo da confissão? Ou sabia e não informou nada à Justiça Comum?

As torturas e assassinatos durante o regime militar são considerados imprescritíveis, como crime de lesa humanidade.

O delito de ocultação de informações de crimes da ditadura é considerado grave no Uruguai. Mas os uruguaios, mesmo que menos do que os argentinos, não temem mexer na sua História.

__________________________________________________________________

A VEZ DOS NETOS
Na Argentina, depois das mães e das avós dos desaparecidos, agora os netos de presos e assassinados pela ditadura se mobilizam para preservar memórias e compartilhar “a responsabilidade histórica”.

O link para a reportagem do jornal Página 12 está abaixo:

https://www.pagina12.com.ar/288552-les-nietes-llegaron-para-tomar-la-posta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


2 + 5 =