POR QUE BOLSONARO VOLTOU A ATACAR

Bolsonaro é acionado cada vez mais pela insegurança. Suas últimas atitudes têm a mesma explicação: a fala na TV no dia 24 – quando incentivou o fim do isolamento e afrontou a ciência e os governadores –, o passeio de hoje em Brasília e a ameaça de baixar um decreto acabando com o isolamento. Tudo em sua cabeça passou a ser mobilizado e atordoado pela insegurança.

Bolsonaro adverte, toda vez que dizem que foi controlado pelos auxiliares e pelos militares, que ele é quem manda e desmanda. Que é incontrolável.

Foi assim na fala do dia 24 na TV, que disseminou o terror em cadeia nacional.

Durante dois dias, antes do pronunciamento, os jornalistas informaram, quase como consenso, que Bolsonaro iria pedir uma trégua, depois das discordâncias com os governadores e com Luiz Henrique Mandetta.

Para reagir e desmoralizar o jornalismo, Bolsonaro reuniu seu grupo de fundamentalistas em torno de Carluxo e mandou que elaborassem um discurso radical.

Era a vitória do gabinete do ódio. Fez tudo ao contrário do que se previa e desafiou de novo seu ministro da Saúde, os especialistas em pandemia, os médicos, os enfermeiros, o Supremo, os generais, o bom senso e a população.

Estava incomodado e inseguro com a notícia de que havia sido domado e queria provar o contrário.

Ontem, a fala de Luiz Felipe Mandetta pró-confinamento, completamente diferente do que ele vinha dizendo nos últimos dias, induziu à mesma interpretação.

Bolsonaro teria sido convencido pelo próprio Mandetta e pelos militares a se acalmar, em reunião realizada pouco antes da coletiva do ministro. Foi a reunião mais tensa para tratar da pandemia.

Na coletiva, Mandetta chegou a definir os participantes das carreatas contra o isolamento como manada e foi categórico na condenação das manifestações.

O que fez Bolsonaro hoje? Saiu às ruas de Brasília no dia seguinte pela manhã, para avisar de novo: não fui e não serei controlado nem pelo ministro da Saúde e tampouco pelos generais.

Bolsonaro avisou que toda notícia sobre trégua ou imposição de ordens subalternas será desmentida no dia seguinte com uma atitude desafiadora.

O alerta de que pode decretar o fim do confinamento, liberando comércio, cultos e quem quiser trabalhar, contrariando de novo Mandetta, os cientistas, os governadores e o Supremo (que legitimou as ações dos Estados) amplia a radicalização.

É o limite? Com Bolsonaro sem controles, não há limites. Bolsonaro manda em quem quer ser mandado.

One thought on “POR QUE BOLSONARO VOLTOU A ATACAR

  1. ha duas coisas bem obvias
    1) contaminados assintomÁticos depois de 14 dias não sÃo mais transmissores, ficam vacinados( uma hipÓtese ate o momento). ENQUANTO OS RESULTADOS NÃO FOREM MOSTRADOS TEMOS QUE PENSAR QUE ELE FOI CONTAMINADO E FOI ASSINTOMÁTICO. lEMBRAM DO EDUARDO E DA cnn??
    2) com quarentena teremos uma catÁstrofe, sem quarentena uma maior ainda, mas sempre umA catÁstrofe. O fim do isolamento não vaia colar, e o idiota sabe disto. apenas insiste para depois poder dizer QUE se tivÉssemOS sEguido sUaS IDEIAS TUDO SERIA MELHOR. O GADO VAI ACREDITAR E DELIRAR NO WHATSUPP. .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 6 =