SAI DESSA, MOURÃO

Até pouco antes da meia-noite, o general Hamilton Mourão não havia oferecido resposta ao ex-ministro Joaquim Barbosa, que definiu como “hipocrisia” a sua crítica à demissão do chefe do Exército por Lula.

Fica complicada a situação de Mourão. Primeiro, porque sua ala no Exército foi derrotada com o expurgo de um omisso diante da tentativa de golpe.

Segundo porque Barbosa tem reputação junto à esquerda e à direita e não pode ser acusado de ser aliado do PT ou de Lula, ou estaremos desconhecendo a História e o caso do mensalão.

Mourão também se complica porque sua situação não se restringe à questão do golpe, mas também à situação do povo yanomami, condenado à fome e à morte pelo governo do qual ele foi vice-presidente.

Além de vice, Mourão foi presidente do Conselho Nacional da Amazônia, que deveria determinar as grandes políticas para a região.

O general assumiu o cargo em abril de 2020, lotando o órgão de militares e sem acolher a participação de conselheiros do Ibama e da Funai.

Não se sabe de nada que tenha sido feito nos quase três anos em que esteve com a tarefa de defender a floresta e seu povo. E essa seria sua principal missão no governo.

Mas no dia 16 de dezembro de 2022, a Folha noticiou:
“Mourão lança plano para Amazônia a 16 dias de deixar cargo e propõe medidas que governo desmontou”

O jornal informava que o projeto Nossa Amazônia “é uma coleção de frases e ideias genéricas, com propostas que representam o contrário do que fez o governo Bolsonaro ao longo de quatro anos”.

O plano propunha ampliação de recursos, de pessoal e de melhorias das instalações dos órgãos de fiscalização ambiental.

Era uma bobagem, porque fora de hora. Mourão estava indo embora, já como senador eleito, e lançava um plano que teve três anos para implementar.

O general terá de responder a Joaquim Barbosa, se quiser, mas talvez seja convocado a prestar informações sobre sua gestão na Amazônia, mesmo querendo ou não, se o Ministério Público levar adiante a investigação sobre a matança de indígenas em Roraima.

Durante a presidência do general no conselho, grileiros, garimpeiros, desmatadores e todo tipo de bandido mataram indigenistas e indígenas, poluíram rios, ameaçaram e impuseram o terror na Amazônia abandonada pelo governo.

Por que então Mourão apresentou um plano poucos dias antes de ir embora? É uma das questões que precisam de explicações.

E o genocídio do qual Bolsonaro é acusado precisa ser abordado também por quem esteve, em posição de comando, com suas forças na região.

Mourão se elegeu senador pelo Rio Grande do Sul pelo que fez na vice-presidência. Mas fez o quê?

(Veja o que o ex-ministro do STF disse sobre o ex-vice no texto ‘Joaquim Barbosa e a hipocrisia de Mourão’, publicado antes nesse blog, com link para o DCM)

2 thoughts on “SAI DESSA, MOURÃO

  1. É facil saber o que ele dirá.
    Vai dizer que nao era issso, que
    Foi mal interptretado, como
    Todo cagao deste ex governo
    Fazia.
    Mandalete do genocida,nao fez
    Nada na amazonia, so ajudou
    A piorar ainda mais os indios e
    Ribeirinhos que ali viviam,
    Permitindo o garimpo e o
    Desmatamento indiscriminado,
    Torrando o dinheiro publico.
    Haia neles , sem anistia.

  2. Sabemos q mourão teve papel nulo nas questões sensíveis acerca do Brasil. Contudo, atuou no sentido de, no mínimo, botar panos quentes para a tentativa de assalto à democracia. Será outro do tipo bolsonaro no congresso, oferecendo projetos voltados somente ao seu público específico. E pensar q o povo gaúcho abriu mão de Olivio Dutra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


5 + 3 =