O PLANO DE BOLSONARO É TER UM MILICIANO EM CADA FAMÍLIA

Armar a população é, na cabeça do genocida, depender menos da base política comprada e até das Forças Armadas. Bolsonaro acha que poderá ser protegido por milícias que se formarão dentro das famílias, a partir do incentivo à compra de armas e do afrouxamento de controles. É o tema do meu artigo no 247, com

O NOSSO PARENTE PRÉ-MILICIANO

O que significam as novas medidas de Bolsonaro liberando ainda mais a compra e a posse de armas? Significam que aqueles nossos sobrinhos, primos, tios, cunhados e agregados que voltarão a participar dos churrascos de domingo, depois da pandemia, agora podem aparecer com revólveres. Alguns poderão até ter metralhadoras no porta-luvas do carro. Bolsonaro está

OS ESPIÕES MILICIANOS DE MACRI

É maior do que parecia a estrutura de arapongas que Maurício Macri manteve durante seu governo. Descobriu-se agora que, com autorização do presidnete, a espionagem (criada para seguir Cristina Kirchner, jornalistas, senadores, deputados e sindicalistas) teve acesso a armas da Agencia Federal de Inteligência (AFI). No final do governo, foram ‘vendidas’ a preços simbólicos a

POR QUE ONYX NÃO FOI?

Onyx Lorenzoni, todo mundo sabe, é o maior lobista da Taurus dentro do governo. Campanhas do ministro foram financiadas pela empresa, quando candidatos podiam receber dinheiro de pessoas jurídicas. Agora recebem dos donos das organizações e de seus laranjas, inclusive em caixas pretas e caixas dois, como o próprio Onyx admitiu que recebeu duas vezes

A AMPLIAÇÃO DAS MILÍCIAS

Está nos cantinhos dos sites. Nenhum jornal da grande imprensa teve o peito de dar em manchete a declaração de Bolsonaro ontem em Santa Maria, quando finalmente explicitou em discurso o objetivo do armamentismo bolsonarista: “Nossa vida tem valor, mas tem algo com muito mais valoroso do que a nossa vida, que é a nossa

O GESTOR GAÚCHO E AS ARMAS

A liberação de armas, principalmente fuzis, não é consenso nem entre políticos da direita alinhados com Bolsonaro. Agora pela manhã, governadores de 13 Estados divulgaram um manifesto dirigido ao governo, ao Congresso e ao Supremo contra o decreto das armas. Pedem a revogação imediata da liberação, porque temem o aumento da violência e da criminalidade.