FAÇAM SUAS APOSTAS: QUEM DA EXTREMA DIREITA FICARÁ PELO CAMINHO?

Certezas e dúvidas levantadas pelas últimas pesquisas incomodam os fascistas eleitos na carona de Bolsonaro em 2018. Fascistas de toda parte chegaram com folga ao Congresso há quatro anos, mas muitos não irão retornar. Eles sabem que em 2020, nas eleições municipais, o fenômeno da avalanche bolsonarista não se repetiu e que 2022 pode marcar

SÓ DIREITA E EXTREMA DIREITA SE RENOVAM

A eleição deste ano promete aprofundar um fenômeno nem tão recente. Direita e extrema direita tiram novos candidatos como coelhos da cartola, e as esquerdas sofrem para ter o mínimo de renovação. Até Fabrício Queiroz, chefe das rachadinhas dos Bolsonaros, é pré-candidato a alguma coisa que ele irá escolher mais adiante, talvez a deputado federal

O RECADO DE VIZCARRA PARA BOLSONARO

Bolsonaro deve andar tensionado com os últimos acontecimentos provocados pela democracia. Mas deve esquecer um pouco Joe Biden e prestar atenção no que aconteceu no Peru. Caiu mais um representante da direita, por impeachment, quando muitos achavam que poderia resistir. Caiu o presidente corrupto Martín Vizcarra (foto), na segunda tentativa do Congresso para derrubá-lo. O

MENDONÇA ESTÁ SENTADO NA BOMBA DA SEOPI

Há desfechos previsíveis para o caso dos arapongas que bisbilhotaram servidores considerados perigosos militantes antifascistas pela Secretaria de Operações Integradas (Seopi). A primeira previsão é esta. A tentativa do Supremo de enquadrar a Seopi, a partir da suspeita de atividades ilegais e antidemocráticas, como observou a ministra Cármen Lúcia, pode fracassar. O ministro André Mendonça,

A VAGABUNDAGEM DE BOLSONARO

Os jornalistas queriam saber de Bolsonaro ontem qual é a explicação para a demora na liberação da ajuda de emergência de R$ 600 aos trabalhadores informais. Bolsonaro não sabia nada. Tentava simular impaciência, depois demonstrou irritação, como se quisesse dizer: parem de encher o saco. O que Bolsonaro tentava esconder é que não domina nada.

TOFFOLI, ALCOLUMBRE E MAIA TÊM SEIS DIAS

Esta semana é decisiva para que os comandantes do Supremo, do Senado e da Câmara digam se têm suportes político e institucional suficientes para enfrentar Bolsonaro. O protesto que mexe com a autoridade de todos eles está marcado para domingo. São seis dias para firmar posição. Dias Toffoli, Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia têm seis