A DIREITA QUE AJUDA A PROCURAR OS MORTOS PELA DITADURA

Hoje, é o Dia do Desaparecido no Uruguai. A retroescavadeira que aparece ao fundo, na foto do jornal La Diaria, está há dias procurando corpos de militantes presos e ‘sumidos’ na ditadura que durou de 1973 a 1985. O rosto em destaque ao lado da foto é de Beatriz Argimón, vice-presidente da República. Foi presidente

OS URUGUAIOS RESISTEM

Os uruguaios viram ontem uma manifestação improvável no Brasil. Mais de mil pessoas se concentraram no centro histórico de Montevidéu, carregando cartazes com fotos de assassinados e desaparecidos na ditadura. Mães e familiares das vítimas dos militares foram reclamar a abertura de relatórios com depoimentos de assassinos à Justiça Militar. Um desses depoimentos pode provocar

PRECISAMOS FALAR DA CASA DA MORTE

Deve ser lida sem pressa, como lição de História, a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal contra três agentes da ditadura acusados do sequestro, da tortura e do desaparecimento do advogado Paulo de Tarso Celestino da Silva, em 1971. Silva foi levado pelos torturadores para o prédio que ficou conhecido como a Casa da Morte,

O que não aprendemos

Suzana Lisbôa, viúva do militante político Luiz Eurico Tejera Lisbôa, assassinado pela ditadura, participou de um debate com o jornalista Rafael Guimaraens, no lançamento do novo livro dele, O Sargento, o Marechal e o Faquir (Libretos). Foi agora à noite, na Fundação Ecarta. Suzana procurou e encontrou o corpo do marido desaparecido em 1972, um