O JORNALISTA DELATADO E O JUIZ AFASTADO

Luis Majul (foto à esquerda) é um dos grandes nomes do jornalismo de direita na Argentina. Na outra foto está o juiz Federico Villena, que já mandou prender 22 envolvidos em espionagem contra adversários políticos no governo de Mauricio Macri. Pois Majul é um dos apontados como destinatários de informações dos espiões. E o juiz

O QUE A TURMA DE CURITIBA PODE ESTAR ESCONDENDO

A já famosa grampolândia da Lava-Jato levanta várias questões sobre os desmandos da turma de Deltan Dallagnol. Uma delas é uma pergunta a ser respondida logo: Sergio Moro, que chegava a orientar as ações do Ministério Público como se fosse chefe do grupo, sabia que os procuradores grampeavam todos os que conversavam com eles? Uma

JUIZ MANDA PRENDER 22 ARAPONGAS DE MACRI

Alan Ruiz (foto), que foi o poderoso diretor de Operações Especiais da Agência Federal de Inteligencia (AFI), a ABIN da Argentina, é um dos oito presos agora pela manhã por envolvimento com o esquema de espionagem montado pelo governo de Mauricio Macri para seguir Cristina Kirchner e líderes da oposição, além de jornalistas e sindicalistas.

OS ESPIÕES MILICIANOS DE MACRI

É maior do que parecia a estrutura de arapongas que Maurício Macri manteve durante seu governo. Descobriu-se agora que, com autorização do presidnete, a espionagem (criada para seguir Cristina Kirchner, jornalistas, senadores, deputados e sindicalistas) teve acesso a armas da Agencia Federal de Inteligência (AFI). No final do governo, foram ‘vendidas’ a preços simbólicos a

A INFORMANTE DE MACRI

Os espiões que seguiam Cristina Kirchner, no esquema de arapongagem montado dentro do governo de Mauricio Macri, grampeavam os próprios parceiros. E admitiam nas conversas entre eles que o grupo se chamava Super Mario Bros. Hoje, o jornal Pagina 12 divulga conversas entre chefes dos espiões que tinham a missão de seguir Cristina Kirchner, jornalistas,

INVESTIGAÇÃO DE ESPIONAGEM CHEGA AO ‘SOMBRA’ DE MACRI

Esse aí na foto teve a casa pedalada hoje pela Polícia Federal argentina. É Darío Nieto, um dos suspeitos de comandar as operações da rede de arapongas no governo de Maurício Macri. A polícia fez busca e apreensão atrás de provas. O rapaz foi assessor particular de Macri nos quatro anos de governo. Ele teria

A REDE DE ESPIONAGEM DE MACRI E A OBSESSÃO DE BOLSONARO

A Argentina se ocupa desde a semana passada do desvendamento de mais um escândalo político que serve de alerta aos brasileiros. É o esquema de espionagem adotado durante o governo de Maurício Macri, para perseguir adversários políticos. A pergunta é inevitável: algo semelhante pode estar em funcionamento aqui? Bolsonaro, obsessivo com informações da sua área

A PERSEGUIÇÃO A CRISTINA

O serviço de inteligência que Bolsonaro queria pra ele era o que funcionava na Argentina. A Polícia Federal, a Agência Federal de Inteligencia (AFI) e arapongas de vários órgãos da área de segurança foram mobilizados para espionar principalmente Cristina Kirchner, durante o governo de Mauricio Macri. Os espiões de Macri acompanhavam a vida de Cristina