JORNALISMO

Vou reafirmar o que disse ontem, para que a nossa torcida pelo desfecho do escândalo Moro-Dallagnol não nos transforme em seres semelhantes aos que combatemos.
Não podemos repetir as mesmas falas simplificadoras e as mesmas atitudes desqualificadoras de quem ataca o Intercept e o jornalismo.
Então, o que reafirmo agora, como jornalista, é que considero a reportagem de Álvaro Pereira ontem no Fantástico correta e esclarecedora de muitos aspectos que pretensos entendidos em Telegram só ajudam a confundir.
Muitos esperavam, ingenuamente, que o Fantástico fosse acabar com Sergio Moro no domingo. Aí não dá.
A reportagem esclarece, por exemplo, um detalhe decisivo: Sergio Moro já se livrou de boa parte da bronca ao eliminar mensagens e avisar que não usa mais o Telegram.
Por que o ex-juiz fez isso? Porque, como explica um professor da USP, o Telegram armazena as mensagens, mas não preserva as que o próprio usuário elimina. Moro certamente foi orientado a se livrar de rastros no celular, preocupado com uma eventual perícia (e mesmo que a perícia venha a ser feita por gente da Polícia Federal que ele chefia).
Explica-se por isso mesmo a tática do juiz de passar a dizer que não reconhece a autenticidade das mensagens, depois de inicialmente admitir a veracidade das conversas e mais tarde cair em contradição ao dizer que cometeu “um descuido” ao enviar uma “recomendação” a Dallagnol na tentativa de incriminar Lula.
Então, não me convidem para fazer o que a direita vem fazendo. Quem quiser, que veja ou reveja a reportagem e critique, claro, suas tantas imperfeições. Mas não acredito que Álvaro Pereira tenha produzido qualquer conspiração contra o trabalho do Intercept ou contra o jornalismo. O link está logo abaixo.
(Lamento, como muitos lamentaram, que a Globo tenha dado a entender que havia entrevistado o russo criador do Telegram. O único Russo entrevistado até agora é Sergio Moro, que assim era chamado por seus procuradores na Lava-Jato.)

https://g1.globo.com/fantastico/noticia/2019/06/16/conheca-a-vida-exotica-do-russo-criador-do-telegram-aplicativo-que-virou-assunto-nacional.ghtml?fbclid=IwAR17E6MTjdr3HAh_Rdd4G4Q3gWicRF6_CZmv3tWULp9wVyKv9R311QaJ9go

ONDE FOI PARAR A REBELDIA?


Uma grande pauta para o grande repórter da TV brasileira. Me perguntam muitas vezes porque ainda vejo o Fantástico. Eu não vejo o Fantástico. Eu fico de tocaia à espera das reportagens do Marcelo Canellas. Como essa que veremos domingo.
Esta é a chamada de Canellas para a reportagem:
“Onde foi parar a rebeldia da juventude? Onde estaria a inquietude benigna que tantas vezes esteve na vanguarda das mudanças na história da humanidade? Domingo, no @showdavida, os efeitos – sobre a juventude brasileira – da grave crise econômica e política em que estamos metidos.O que a chamada “geração Z” pensa da vida? Ao fazer esta reportagem especial, não pude deixar de me angustiar com o país que estou deixando para os meus filhos”.

Verdades globais

Compartilho informação que recebi agora de amigos no facebook: a Globo acaba de pôr em debate no Fantástico o que é verdade e mentira na Internet e no jornalismo.
É a Globo se achando no direito de desqualificar as ‘verdades’ dos outros.
É um jeito de atacar não só as conhecidas mentiras do facebook, mas também, indiretamente, tudo que é produzido fora das estruturas da grande imprensa.
Não é novidade. A Globo sempre tenta dizer: nós temos o monopólio da verdade. E quem acredita nas verdades da Globo?