A NOVA ETAPA DO PROJETO DO GENOCÍDIO

A solidariedade concreta, de socorro aos pacientes de outros Estados, é inegociável. Hospitais do Rio Grande do Sul e Estados do Sudeste e do Sul estão recebendo ou vão receber doentes de Covid-19 do Norte, porque só assim eles podem ser salvos. Era exatamente isso o que Bolsonaro, Pazuello e os cúmplices da morte queriam,

A JUÍZA E OS GENOCIDAS

A juíza Valdete Souto Severo volta a incomodar os que preferem o conforto das concordâncias. A magistrada do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, em Porto Alegre, será investigada pelo Conselho Nacional de Justiça por tratar de genocídio em artigo no site “Democracia e Mundo do Trabalho em Debate”. O processo foi aberto pelo

É GENOCÍDIO MESMO?

Tivemos por um bom tempo o debate em torno da suspeita de que Bolsonaro seria líder de um governo fascista. Foi quando surgiram as ressalvas. Bolsonaro não seria um fascista clássico, de almanaque, porque não era nacionalista, não se caracterizava como líder de massas e por isso e por aquilo. Bolsonaro seria apenas um aprendiz

TODOS OS CRIMES DE BOLSONARO

A Lava-Jato pegou Geraldo Alckmin por caixa dois e lavagem de dinheiro. É um indiciamento com mais de década de atraso. Vale tanto quanto alguém anunciar hoje que o Marechal Deodoro recebeu dinheiro ilícito na campanha pela proclamação da República. A exposição retardatária de corruptos tucanos pelo Ministério Público tem pouca serventia. Não serve nem

OS MILITARES USADOS POR BOLSONARO

Bolsonaro é tutelado pelos militares e, ao mesmo tempo, utiliza-se deles para fazer seu jogo sem rumo e sem método? Parece uma questão óbvia e trivial, mas não é. Muito menos agora, quando Bolsonaro hiberna há uma semana e só faz propaganda da cloroquina, mas pode ressuscitar a qualquer momento. Esse é o balanço resumido

O NOVO NORMAL DE BOLSONARO

É esdrúxula a notícia da coluna da Monica Bergamo na Folha. Bolsonaro pediu ao ministro interino da Saúde que telefonasse para Gilmar Mendes. Eduardo Pazuello telefonou e pediu trégua ao ministro que acusou o Exército de ser cúmplice de um genocídio. Mas enquanto Pazuello cumpria ordens determinadas pelo novo normal de Bolsonaro, o Ministério da

PRECISAMOS FALAR DE GENOCÍDIO

Foi de alto risco o movimento do general Hamilton Mourão, que decidiu tentar impor o que Gilmar Mendes deve dizer. Mourão acha que o ministro deve uma retratação, como pedido de desculpas aos militares, por ter afirmado que as Forças Armadas são cúmplices do genocídio que Bolsonaro provoca com sua política de negar a pandemia.

A BRONCA DOS MILITARES É COM GILMAR MENDES

Se os ministros militares acham que não há genocídio na pandemia e por isso vão processar Gilmar Mendes por injúria e difamação, por que não processam todos os que entendem que há genocídio, ou a briga é apenas com o ministro do Supremo? Sempre lembrando que Gilmar Mendes foi quem disse, no dia 6 de

AS GUERRAS DE MENDES, DE MONICA IOZZI E DOS MILITARES

Gilmar Mendes acusa os militares de serem cúmplices do genocídio da pandemia. Mas ele já foi acusado de cúmplice de um criminoso e processou a acusadora. Era Monica Iozzi. Agora, os militares podem processá-lo com o mesmo pretexto que ele usou contra a atriz. Abaixo, o link do meu texto quinzenal no jornal Extra Classe.

CHAMEM O GAITEIRO

Os ministros militares decidiram entrar com uma representação na Procuradoria-Geral da República contra Gilmar Mendes. É pela acusação de Mendes de que as Forças Armadas são cúmplices do genocídio da pandemia ao manterem um general como ministro da Saúde. Bolsonaro queria uma trégua com o Supremo enquanto cuida do complicado caso do Queiroz e toma