A eleição americana espera William Waack, oito anos depois

O Estadão não vai mandar William Waack para cobrir a eleição americana? Se decidir enviar sua estrela, antes deve fazer uma recomendação para que o jornalista não volte a se posicionar nas proximidades da Casa Branca, onde às vezes os motoristas passam buzinando. Na cobertura da eleição de 2016 para a Globo, Waack estava defronte

A turma do Merval perdeu de novo

Jornalistas da torcida da extrema direita no Globo, na Folha e no Estadão estão muito chateados com a prisão dos foragidos de Mossoró. Para essa turma, quem estava atrás dos presidiários não eram servidores públicos das polícias, mas Lula e o ministro Ricardo Lewandowski. Os jornalões estão tristes, porque desejavam colocar o fracasso do cerco

Conte, Merval Pereira: quem era o receptador e pau-mandado da Lava-Jato na Globo?

Uma pergunta que o jornalismo terá de responder um dia, sob pena de ser acusado de omissão e conivência com a República de Curitiba: quem, dentro da Globo, foi o receptador do áudio do grampo criminoso que Sergio Moro aplicou em Dilma Rousseff e Lula, em 2016? Pode ter sido Merval Pereira, pelo poder que

A Globo dança com Netanyahu, Biden, Bolsonaro e os que se acham judeus

Por que a Globo corre os riscos de uma cobertura suicida para a imagem do grupo, endossando incondicionalmente todas as posições de Israel nos ataques a Gaza? É fácil. Porque a Globo está ao lado do poder político e econômico mundial aliado de Israel, e aí vale tudo. Valem todos os riscos, como sempre valeram.

A MENINA COM BRINCO NO MEIO DA GUERRA

Shahed Al-Banna, que virou correspondente de guerra em Gaza, é a primeira palestina a ter rosto, nome, identidade e história na cobertura da TV brasileira. A moça de 18 anos trabalha de graça para a Globo, fazendo o que nenhum repórter do chamado mundo ocidental conseguiria fazer, enquanto a própria Globo diz que Israel bombardeia

Escolha a manchete, com cobertura de chocolate ou chantily

Alguns ouvem o discurso que querem ouvir. É o que temos nas capas dos jornais. Manchetes como se fossem sorvetes ao gosto de cada um. Escolha a manchete que mais agradar, com uma ou duas bolinhas, na casquinha ou no copinho. A cobertura pode ser de chocolate, caramelo ou chantily. Bernardo Mello Franco, no Globo: