ESTÁ CRIADO O TROFÉU DELTAN DALLAGNOL DA IMPUNIDADE

Os tucanos e todos os corruptos da direita que continuam impunes não poderão concorrer ao Troféu Deltan Dallagnol da Impunidade, um prêmio virtual criado por esse blog, depois da sessão vergonhosa do Conselho Nacional do Ministério Público. Tucanos corruptos já fazem parte de outra categoria, a dos políticos sem punição. Esse prêmio é para quem

QUEM VAI PRENDER SARA, QUEIROZ, ONYX?

Essas entidades estão pedindo a prisão da fascista Sara Winter: Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, União de Mulheres do Município de São Paulo, Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do TJ-SP, Instituto Vladimir Herzog e Conselho Regional de Psicologia de SP. Se a fascista continuar solta e impune, é fácil fazer uma previsão. Se

A alegria da impunidade

A dancinha no hospital passa várias mensagens. É a dança do desprezo pelo Ministério Público e de total confiança na capacidade dos Bolsonaros de neutralizarem MP, Justiça e imprensa. Mas o que mais importa para eles é passar o sentimento de leveza, de alegria, de descontração, porque tudo ficará bem. A família Queiroz está feliz

A impunidade dos tucanos ofende o Brasil

As instituições têm só hoje para pegar um tucano corrupto, antes que o ano acabe sem que, vergonhosamente, um tucano, um só tenha sido preso ou condenado. Há tucanos investigados (Fernando Henrique Cardoso e Aécio Neves). Alguns tucanos estão sendo processados há anos (Pedro Parente, Pedro Malan, José Serra), mas as sindicâncias e processos contra

A impunidade que ofende

Com o juiz Sergio Moro de férias, não devemos ter, até o final do ano, nenhum processo novo contra Lula. Quando o juiz voltar das férias, começa tudo de novo. Tríplex, sítio, pedalinhos… Mas vamos esperar que, mesmo na repetição do que aconteceu em 2016, não tenhamos nada parecido com aquela rosácea das bolinhas azuis

Estupradores nacionais e estrangeiros

Leio agora que prenderam mais um denunciado por tentativa de estupro na Vila Olímpica. Já são dois. O que vai acontecer com eles, um dos Marrocos e outra da Namíbia? Se o padrão for o que acontece no cotidiano das brasileiras atacadas, é provável que os dois voltem para casa como se nada tivesse ocorrido.