GOLPISTAS, PRESTEM ATENÇÃO NO QUE ACONTECEU NA BOLÍVIA

A ex-senadora Jeanine Añez, agora condenada a 10 anos de cadeia, é a gaiata que teve inesperado protagonismo no golpe boliviano, quando não deveria ter sido nem figurante. Por isso Bolsonaro força a barra quando tenta se comparar a Jeanine, como fez nos Estados Unidos ao dizer que ela e ele são perseguidos pelo Judiciário.

SE TENTAR O GOLPE, BOLSONARO PODE SE COMPLICAR MAIS DO QUE JEANINE AÑEZ

Bolsonaro deve pensar tanto em Jeanine Añez encarcerada que não conseguiu evitar o desabafo desta semana diante de civis e militares. Disse, quase infantil, que jamais será uma Jeanine. E repetiu: jamais. É terrível a situação de Jeanine Añez, a laranja boliviana que os chefes golpistas fizeram sentar na cadeira de Evo Morales em novembro

GOLPISTAS EM LIBERDADE

Esses dois aí da foto são os ex-comandantes da Marinha Palmiro Jarjury (à esquerda) e da Força Aérea Boliviana Gonzalo Terceros. Os dois finalmente confessaram participação no golpe de 2019 contra Evo Morales, foram condenados a três anos de prisão, mas ficarão soltos porque colaboraram com a Justiça. Na Bolívia, golpista não fica impune. Até

OS GOLPISTAS CONFESSARAM

Uma notícia para os candidatos a ajudante de golpista no Brasil. Dois ajudantes bolivianos finalmente admitiram que participaram do golpe de 2019 contra Evo Morales. São os ex-comandantes da Força Aérea, Gonzalo Terceros, e da Marinha, Palmiro Jarjuri Rada. Eles pediram ao Ministério Público um julgamento abreviado. Significa que confessam os crimes de motim, insubordinação

SEGUE O EXPURGO DOS AMOTINADOS NA POLÍCIA FARDADA BOLIVIANA

Escrevi ontem sobre o fim do general boliviano Yuri Calderón, que a Justiça Militar expulsou da Polícia Nacional por crimes cometidos quando do golpe contra Evo Morales em novembro de 2019. Calderón era o chefe da Polícia, que na Bolívia é uma PM fardada, mas nacional, com atuação como polícia ostensiva (como agem no Brasil

O TRISTE FIM DE UM CHEFE DE POLÍCIA MILITAR DEPOIS DO GOLPE FRACASSADO

O general boliviano Yuri Calderón (foto) não é mais nada desde sexta-feira. Não é general, não pertence mais à Polícia Nacional, está preso preventivamente e pode ser condenado criminalmente a continuar na cadeia. Já o líder civil que o induziu a cometer crimes como golpista está solto. É uma realidade que os policiais militares brasileiros,

O ALERTA A QUEM DESEJA SER MILICIANO DE BOLSONARO

Pretensos milicianos com ambições políticas, que planejam cumprir missões paramilitares no Brasil, com Bolsonaro acima de tudo, devem prestar atenção no que aconteceu na Bolívia. Não são apenas os líderes civis e militares do golpe de 2019 que estão encarcerados. Há milicianos presos. Todos foram abandonados na cadeia pela direita e pela extrema direita que

AS CHINELAGENS DOS GENERAIS GOLPISTAS

As circunstâncias ampliam uma pergunta sempre incômoda: com quem estariam hoje os militares brasileiros, se Bolsonaro tentasse transformar o blefe em golpe? A resposta é dada pela História: só se sabe mesmo na hora do golpe. As posições são determinadas por convicções, oportunismos e muito também por covardias. Num golpe clássico, com intervenção do poder

UM RECADO AOS QUE PLANEJAM MOTINS

Mais uma informação vinda da Bolívia, que pode interessar aos que sonham no Brasil com a transformação das polícias militares em estruturas bolsonaristas a serviço de motins contra os governadores e, mais adiante, como suporte até para um golpe. Desde o início de março, o Ministério Público pediu e a Justiça determinou a prisão de