Tudo pode acontecer nessa quarta-feira na Argentina

Javier Milei assumiu em 10 de dezembro e já foi desafiado por três manifestações de rua. Nesta quarta-feira, enfrenta a primeira tentativa de paralisação geral do país, convocada pela CGT, a Central Geral do Trabalho. Vai dar certo? Se não der, se for uma paralisação meia-boca, como foram os três protestos de rua, o amigo

Adolfo Aristarain: que as ruas derrubem o fascista argentino

Adolfo Aristarain (foto) é um dos mais respeitados diretores de cinema da Argentina. O cineasta pregou, em artigo publicado nesta quinta-feira no jornal Página 12, o que muitos gostariam de dizer. Que é preciso ir às ruas não só para protestar, mas para derrubar o governo fascista de Javier Milei. Ele considera que esse seria

CGT entra na guerra contra Milei. Mas sem os piqueteiros?

Só foi ganhar destaque na tarde de terça-feira, nos jornais de esquerda da Argentina, a informação de que a poderosa CGT (Confederação Geral do Trabalho) vai mesmo entrar na guerra contra Javier Milei e o pacote de medidas que pode destruir o país. É a CGT, controlada pelo peronismo, que lidera a organização da marcha

É preciso mais do que bater panelas

Os argentinos vão se dedicar no Natal ao esquecimento e ao aprendizado do que tentaram fazer no 20 de dezembro, como fazem todos os anos, e não deu certo. Agora, é pensar na invertida, depois dos 7 a 1 de Javier Milei e Patricia Bullrich. Mesmo que até as esquerdas brasileiras não admitam, pela frustração

Começa o enfrentamento do fascismo em Buenos Aires

O mais bem informado dos argentinos não tem como prever o que acontecerá a partir desta terça-feira em Buenos Aires. O povo estará nas ruas contra o fascista que chegou ao poder. Mas não é o povo disperso, nem a classe média que um dia se junta para caminhar contra o governo, como fizeram pelo

Não vá a Buenos Aires no dia 19

Começa no dia 19 de dezembro em Buenos Aires e pode terminar ou não no dia 20 o primeiro grande confronto entre Javier Milei e os movimentos sociais. Não será bom passear pela cidade nessas datas, na terça e na quarta-feira. Ao anúncio das organizações populares de que iriam demarcar território e ir às ruas,

Fascista argentino chama as organizações sociais para a guerra

No quarto dia de governo, Javier Milei mostrou as unhas para os trabalhadores, os sindicatos e as organizações sociais argentinas. Patricia Bullrich, sua ministra de Segurança, anunciou à tarde um pacote com “sanções severas” aos organizadores de manifestações de rua. Dois atos já estão programados, muito antes da posse do sujeito, para os dias 19

Pensar em violência no 7 de Setembro é admitir que o fascismo ainda esperneia

No ano passado, a pessoa mais próxima de Bolsonaro no palanque do 7 de Setembro na Esplanada era, claro, Michelle. E depois de Michelle, o véio da Havan. Dois generais, o vice Hamilton Mourão e o que viria a ser o vice na chapa derrotada, Braga Netto, estavam no palanque da segunda aglomeração na Esplanada

O inverno de 2013, os silêncios e o sumiço das samambaias

Daqui a alguns dias, o junho de 2013 pode ser denunciado pelo desaparecimento das samambaias das casas dos brasileiros de esquerda. Tudo agora é culpa de 2013. Tem analista daquele inverno indo à Grécia antiga para tentar explicar as sequelas do avanço da retórica e das ações antipolítica e antissistema. Quase todos os nossos desalentos