QUEM SEGURA AS BALAS DE BORRACHA DO BOLSONARISMO?

Os estudantes chilenos aguardam o fim da pandemia para o desfecho do acerto de contas com Sebastián Piñera, iniciado em outubro. Eles querem derrubar Piñera. No Chile, 340 pessoas perderam a visão de um olho e pelo menos quatro ficaram cegas por ferimentos produzidos por balas de borracha disparadas pela polícia. Em novembro, depois da

Soda cáustica contra os jovens

A repressão no Chile, que cega jovens com tiros de balas de borracha, usa outro recurso criminoso. A partir de suspeitas, o Movimiento Salud en Resistencia mandou analisar a água jogada pelos carros dos carabineiros para dispersar manifestantes nas ruas. A conclusão: há soda cáustica na água usada pela repressão policial do governo de Piñera.

LICENÇA PARA ATIRAR

O que pode acontecer no Brasil já está liberado na Argentina. Desde ontem, um decreto do governo Macri permite que policiais façam disparos com armas de fogo nas mais variadas circunstâncias de “perigo iminente”. O detalhe que começa a valer lá e que é defendido aqui pelos bolsonaristas (principalmente pelo governador eleito do Rio): o

#PerseguiçãoNão

Agora não é mais boato. O próprio eleito já determinou que sejam identificados professores com ideias em desacordo com as posições da maioria dos que o elegeram. O vídeo com o apelo à deduragem, que vem sendo divulgado, seria de julho. Não interessa. Hoje ou amanhã ele poderá até ser desmentido, porque o eleito desmente

VÃO RESISTIR?

Muitas universidades, comodamente silenciosas diante do avanço do fascismo, serão submetidas ao teste decisivo da democracia. Terão de reagir às ações de repressão e censura às manifestações políticas, ou assumir a condição de subalternas obedientes dos prepostos do arbítrio e da extrema direita. Incluindo as que ainda não sofreram, mas podem sofrer a qualquer momento

Bombas seletivas

Fico sabendo que bombas de gás poupadas contra os fascistas anti-Lula estavam guardadas para reprimir moradores do condomínio Princesa Isabel, em Porto Alegre. Os moradores, tudo gente pobre, não jogaram pedras nem deram relhaços em ninguém. Nem jogaram cavalos em cima de mulheres. Apenas queimaram pneus no meio da rua no sábado à noite em

Algo maior vai acontecer

O confronto entre manifestantes antiPEC 241 e a Brigada, ontem à noite, aconteceu na Avenida Osvaldo Aranha, perto do Auditório Araújo Vianna. Lá dentro, realizava-se o Fronteiras do Pensamento com o escritor britânico Ian McEwan. Li no Jornal do Comércio online uma boa matéria sobre a conferência. McEwan contou que uma de suas preocupações como

Repressão legal?

Os juristas brasileiros, ou seja, metade da população, estão a mil no debate sobre a repressão às manifestações da campanha do Fora Temer nos espaços da Olimpíada. Ontem, um juiz federal do Rio liberou as manifestações por liminar que pode ser cassada a qualquer momento pelo Gilmar Mendes. Primeiramente, não há o que questionar em

Ainda falta gente

A PUC/Famecos fez a sua parte na defesa do jornalismo ameaçado por ações do tempo da ditadura. Elmar Bones e Matheus Chaparini (na foto) participaram de um evento no saguão da faculdade, ontem à noite. Matheus é o repórter do jornal Já que a Brigada prendeu e a polícia enquadrou como invasor, quando da desocupação