A SANTINHA

Tabata Amaral entrevistada por Mario Sergio Conti na GloboNews. A nova direita tem um modelo irresistível, que já está consagrado (pessoa bacana, arejada, humanista, inclusiva, mas no essencial politicamente reacionária) e vai crescer nas eleições municipais. Essa nova direita bonitinha vai dominar as cidades, porque é nas cidades que estão os grandes negócios. Tabata é

O MODELO TABATA

Por que estão falando tanto da deputada Tabata Amaral? Porque ela é uma das novas celebridades de política. Não adianta querer falar dos “outros” deputados presumivelmente de esquerda que votaram pela reforma da previdência. Eu não sei quem são os outros. Ninguém sabe. Mas todos nós sabemos quem é Tabata, ou quem poderia ter sido.

PARECIDA COM QUEM?

As primeiras notícias, logo depois da eleição consagradora de Tabata Amaral (PDT-SP) para a Câmara, tentavam aproximá-la do perfil de Manuela D’Ávila. Jovem, bonita, atrevida, bem-falante, carismática… mas de centro. Parecida com a Manuela, mas de ‘centro’? Então não era parecida. Eu não conhecia Tabata e fiquei meio perdido logo no começo. Aos poucos, descobriu-se