UMA CARONA CONSTRANGEDORA

Não podemos esquecer nunca que Fernando Azevedo, o ministro da Defesa que Bolsonaro manda embora, levou o sujeito de carona (ou vice-versa) em um helicóptero até as manifestações comandadas por Sara Winter na Esplanada.

Foi no dia 31 de maio do ano passado. O helicóptero fez um passeio de 40 minutos e deu seis voltas na Esplanada. Azevedo aparece na foto ao lado de Bolsonaro.

Não era um helicóptero de passeio, era uma nave de guerra, com pintura camuflada. Estavam no auge os ataques da extrema direita ao Supremo e ao Congresso.

Azevedo saiu dizendo que fez tudo para preservar a imagem das Forças Armadas.

Ficaremos sabendo um dia detalhes do que já se insinua agora. Que Bolsonaro levou o general ao constrangimento de acompanhá-lo até a manifestação, mesmo que não tenha descido do helicóptero.

Bolsonaro queria aparecer ao lado lado do homem que chefiava as Forças Armadas. É uma história a ser contada, se é que Azevedo não integrará a turma dos generais que saíram e ficaram quietos.

Braga Netto é anunciado como o substituto de Azevedo. Dá para começar a entender, no meio dessa tensão, o mal súbito que Braga Netto teve na semana passada em Maceió.

O que já é dado como certo é que Azevedo forçou sua demissão para não ter que ficar com Bolsonaro até o fim, até porque ninguém sabe direito que fim será este.

Pode ser um fim semelhante ao da Bolívia, onde todos os generais que participaram do golpe de 2019 estão sendo presos.

One thought on “UMA CARONA CONSTRANGEDORA

  1. Estou tentando, mas não consigo me lembrar dos nomes de militares de altas patentes que tenham virado réus e sido condenados nos últimos 10 anos, aqui no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


7 + 2 =