VEJA E AS ESQUERDAS DESMEMORIADAS

Veja é uma revista caindo aos pedaços. Dia desses peguei uma, com uns cinco meses de idade, amassada, num consultório que ainda tem Veja para que seus pacientes fiquem ainda mais doentes.

Vamos reconhecer que sempre foi uma revista de textos atraentes, mesmo na pior fase de aliada de golpistas e extremistas que levaram à eleição de Bolsonaro. Sempre foi bem escrita.

Peguei e larguei, não só por ter informações vencidas. É uma revista medíocre, com texto precário, murcha como uma uva-passa, sem nada do que já foi (e nem falo do tempo de Mino Carta, falo de tempos recentes mesmo).

Pois Veja encontrou as duas testemunhas da conversa de Moro com Dallagnol. Está provado que as duas testemunhas existem e que o juiz se meteu até na indicação de quem deveria ser ouvido para tentar comprometer Lula.

É uma boa informação, mas não piora a situação do ex-juiz, porque a maioria não vai entender o que isso significa. O que acontecerá agora é mais uma discussão jurídica sobre a controversa de sempre: se um juiz pode ou não indicar testemunhas a um procurador. Não pode. Até o Louro José da Ana Maria Braga sabe.

Mas o que importa nesse caso é ver o entusiasmo de uma certa esquerda com a adesão de Veja à tentativa de mostrar a verdadeira face de Moro.

Vamos ter vergonha na cara. Era só o que me faltava comemorar a ressurreição de Veja como aliada da esquerda.

Veja foi a maior articuladora do golpe contra Dilma e do esforço da Lava-Jato para encarcerar Lula. Me deixem fora dessa comemoração. Eu não quero nada com o jornalismo oportunista de Veja.

Não é uma publicação conservadora (como são todas da grande imprensa, no mundo todo, a maioria com grandes profissionais), que decide se aliar à tentativa de retomada da democracia e da normalidade nas instituições.

Não é uma revista dita liberal que se dá conta de que deve estar do lado certo, porque todos sabem hoje qual é o lado certo.

É uma revista reacionária, golpista, antiLula, antiPT, que se desentendeu com o juiz e parte da direita e agora faz o jogo de que ajuda a desmascarar o chefe da Lava-Jato. Ah, dirão, mas é o mesmo caso da Globo.

Não é. É muito pior, Veja é o Everest do golpismo, é o jornalismo sem escrúpulos que se consagrou como modelo com Diogo Mainardi, Augusto Nunes, Joice Hasselmann, Reinaldo Azevedo (que agora é “aliado”) e outros.

Estou fora dessa. Se a revista derrubar Sergio Moro, eu posso até ficar envergonhado com o jornalismo que teve de depender de Veja para que fizesse desmoronar os esquemas mafiosos do Judiciário.

Desejo apenas que se alie à Globo e à Folha e que se matem nesse entrevero de desentendimentos e traições com esse pessoal da Lava-Jato. Mas não me chamem para essa claque.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


2 + 9 =