Viciados em trabalho

Um dos argumentos contra a greve dos policiais militares do Espírito Santo é o de que eles têm outras atividades, que fazem bicos na porta de farmácias, bares e restaurantes.

Os críticos devem imaginar que os policiais são viciados em trabalho. Aliás, os brigadianos gaúchos, que fazem o mesmo, também devem ter esse vício.

O cinismo nacional é mais nocivo do que o motim (como a imprensa define o movimento) dos policiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


9 + 5 =