A CONSTITUINTE E O ASSASSINATO DO GENERAL DEMOCRATA

Os jornais chilenos lembram um detalhe importante no dia em que o plebiscito soterra finalmente a Constituição da ditadura e acaba com os últimos resquícios da era Pinochet.

Foi num dia 25 outubro, em 1970, que assassinaram o general René Schneider, num plano montado pela extrema direita chilena e pela CIA, com envolvimento direto e comprovado de Henry Kissinger.

Schneider comandava as Forças Armadas e era um legalista. Allende chegaria ao poder sob a comoção da morte do militar e seria derrubado três anos depois pelo mesmo grupo que havia articulado o crime.

Matar o general era parte do plano para ir minando os setores que poderiam, mais tarde, no governo Allende, resistir a um golpe.

A CIA e os fascistas chilenos chegaram a imaginar que a morte do general impediria a posse de Allende, já eleito, mas o crime produziu efeito contrário.

Depois do golpe, Pinochet anistiou os assassinos.

Agora, 50 anos depois do assassinato do general democrata, o Chile faz a festa que levará à Constituinte e à nova Constituição.

__________________________________________________________________

O ENTREVISTADO
O marqueteiro João Santana será o entrevistado de amanhã no Roda Viva. Vai ser uma conversa pra botar a correr baratas, ratos e coronavírus do estúdio da TV Cultura.

__________________________________________________________________

TRÉGUA
Alguém acredita mesmo que Ricardo Salles e o general Luiz Eduardo Ramos estão numa boa, depois que o primeiro chamou o segundo de maria fofoca?

É possível que um ministro chamado de maria fofoca assimile um pedido de desculpas frouxo e uma trégua em nome da governabilidade, e mais ainda se esse ministro é um general?

Quem quiser que acredite. Deve ser mesmo muito poderoso esse Ricardo Salles. Ou Maria fofoca pode apenas estar preparando o troco em banho maria.

__________________________________________________________________

https://www.extraclasse.org.br/

One thought on “A CONSTITUINTE E O ASSASSINATO DO GENERAL DEMOCRATA

  1. E agora Guedes? E agora Bozo?
    Onde está agora a política econômica do Pinochet?
    78% do povo chileno, ENFIM, disse não ao Pinochet, 30 anos após sua ditadura, 22 anos após seu julgamento, 20 anos após sua condenação, 14 anos após sua morte.
    Temos que lembrar que o mal SEMPRE tem que ser eliminado pela raiz o mais cedo possível senão ele perdurará.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


8 + 7 =