A magia do entusiasmo

ABRÃO SLAVUTSKY
Psicanalista

As palavras têm vida, e, se não movem montanhas, geram emoções, movimentos. A palavra entusiasmo, por exemplo, é alegre, a alegria de uma criança brincando, amores essenciais, conversas inesquecíveis. Entusiasmo em grego é enthousiasmós, derivado de entheos, inspirado por deus, o deus Dionísio. É o deus do teatro, da dança, da fecundidade, da natureza, do vinho. Exprime a vida poética, o êxtase da vivência, é uma aceleração criativa, essencial nas artes e na arte de viver.
Em geral as crianças vivem empolgadas, pois tudo é novidade, não querem dormir porque estão excitadas com a vida. Excitante é a história de um menino com quem fiz amizade de nome Miguilim. Ele mora no livro Corpo de baile de Guimarães Rosa e com nove anos sofria de miopia e não sabia. Vivia no sertão onde só se chegava a cavalo, e um dia chegaram em sua casa dois homens, sendo que um deles usava óculos. Este logo viu o menino apertando os olhos, pois tinha dificuldade visual. Então, tirou seus óculos e os colocou, lentamente, em Miguilim e disse para olhar e ele olhou. “Nem não podia acreditar! Tudo era uma claridade, tudo novo e lindo e diferente, as coisas, as árvores, as caras das pessoas. Via os grãozinhos de areia, a pele da terra, as pedrinhas menores, as formiguinhas passeando no chão.” O menino viveu nesse momento um entusiasmo ao ver a mesma realidade com outro olhar. Passou a perceber a natureza, com outros olhos, e ficou maravilhado. Ao ler essa história fiquei impactado e voltei a ler várias vezes; buscava algo mais nesse menino que mudou sua visão de mundo.
Tardei em me dar conta de que vivi algo parecido com essa história, pois aos quatro ou cinco anos vivenciei um segundo nascimento. Foi quando comecei a falar. Uma tia me disse, há poucos anos, que eu parecia abobado, e ela tinha razão, pois na verdade vivi um certo autismo. Portanto me identifiquei com o menino míope da história, pois estive cego à realidade externa, em um mundo sem emoções e risos. Fiquei tranquilo ao ler que o psicanalista francês J. B. Pontalis também começou a falar só com quatro anos. Portanto, é possível começar a vida num filme cinzento e as cores e os risos virem depois. Daí quem sabe certo otimismo que me acompanha. Sou grato à leitura, porque ler ajuda a gente a conhecer, e aprender com os amigos escritores. Abro um livro e começo a escutar histórias de amor, morte, dor e humor.
Um coração alegre requer vacinas contra o desespero. Uma vacina seria ter sentido de humor, e assim aceitar a loucura humana, sendo capaz de sorrir com um olho e chorar com o outro. Outra vacina é formar boas parcerias que aliviam as caminhadas pelos labirintos da existência. Depois, mesmo com vacinas, ninguém vive entusiasmado, ao contrário, a vida se suporta mais do que se desfruta, e para desfrutar deve ser suportada. O entusiasmo com as artes, a beleza, existe para os que podem sentir a magia da criação. Quando se perde o entusiasmo, pode chegar a tristeza, ou mesmo um tempo depressivo.
A vida oscila entre lágrimas e risos, encontros e desencontros. Viver bem é ser grato de amar e ser amado, apesar dos infortúnios. Essa gratidão expressa a sabedoria de um coração alegre. Não é fácil conviver com as incertezas sem o delírio das certezas, e assim aos poucos diminuir o peso do passado. É quando a coragem e a sensibilidade se unem para desfrutar a liberdade do presente. Ser livre para ir em busca do desejo, é sentir a magia do entusiasmo de viver.

Extraviado

Ciro Gomes talvez tenha chegado perto de onde queria. Imita Bolsonaro e fala alto com Maria do Rosário.
Maria do Rosário é o alvo preferencial dos machos inseguros da direita. Ah, mas não é a mesma coisa? Não é a mesma coisa o cacete.
Ele talvez apenas ainda não esteja no estágio que espera alcançar. Mas chegará lá. Nunca se viu um Ciro Gomes tão valente e gritão ao lado de algum homem do PT.
Ciro Gomes é uma imitação de ajudante de ordens de coronel, um figurante extraviado que caiu num solavanco da cabeça do Glauber Rocha.

O próximo

Bolsonaro está chamando juízes ao Planalto. Na terça-feira chamou o presidente do Supremo para um café da manhã.
No mesmo dia à tarde recebeu outro juiz de segunda instância que reafirmou a condenação de Lula no caso do tríplex. E ontem chamou outro de alta Corte que pode participar de julgamentos de questões envolvendo Flavio e as milícias.
Quem mais estará na fila?

O EVEREST E O SAX

Decidi hoje. Vou escalar o Everest no ano que vem. Cheguei a pensar em escalar a Serra do Caverá com um grupo de amigos, até organizei o que seria a Expedição Caverá e que não saiu por motivos vários.

Agora quero ir mais alto. O pico da Serra do Caverá deve ter uns 200 metros. Quero chegar a mais de 8 mil metros, e pelo lado mais perigoso da montanha do Tibete, sem a ajuda dos sherpas. Nenhum nativo vai carregar minhas tralhas.

Irei apenas com minha bombinha de asma. Decidi escalar porque fiquei sabendo que hoje em dia qualquer um tenta subir o Everest. Um alpinista disse que a escalada depende 70% da força mental, 20% da força física e 10% do tempo, do clima. Eu tenho força mental.

Vou tentar porque o mundo banalizou quase tudo. Descobriram que é possível fazer o que antes era excepcional, só para poucos. Qualquer um pode ser presidente do Brasil ou dos Estados Unidos.

Um palhaço que debochava da política foi eleito presidente da Ucrânia. Outro palhaço pode ser o próximo primeiro-ministro britânico. Não são palhaços que se valem do humor para divertir, mas para enganar.

Banalizaram coisas sérias. Qualquer um hoje acha que toca sax, como o ministro da Educação. Abraham Kafta Weintraub assoprou um sax no saguão do ministério essa semana. Porque ele acha que os outros vão achar que ele toca sax e que isso tem lá seu charme.

Mas aí não tem perdão. Abraham ameaçou denunciar professores, estudantes e pais que divulgarem protestos nas universidades. Eu vou denunciá-lo pelo delito de assoprar um sax como se tocasse um sax. Foi medonho.

Alguém pode até bater nas cordas de um violão ou espichar o fole de uma gaita sem saber tocar direito. Mas um sax, não. O sax exige o controle físico do que é mais importante, o ar, a respiração.

Dizem que só toca sax quem controla até a batida do coração. Não há como querer tocar sax sem saber de fato tocar e por isso Abraham deve ser denunciado. Pela crueldade com um instrumento que não aceita enganadores, pelo mau exemplo, pela tentativa de fingir que toca sax, porque não há como fingir.

Abraham é pior do que a Damares, porque Damares apenas vê Jesus na goiabeira. Abraham vê o sax e se avança no sax porque acha que sabe tocar.

O homem que faz ameaças a professores e estudantes pode não saber fazer contas básicas com chocolates, pode até confundir Kafka e kafta e fazer dancinha com guarda-chuva. Mas não pode achar que nos engana assoprando um sax.

Abraham não pode querer destruir a educação e um sax ao mesmo tempo.

O MINISTRO DO STJ E O FILHO DE BOLSONARO

Bateu o desespero. Essa notícia é grave e seria um escândalo em situação de normalidade. Vou compartilhar na íntegra a reportagem que a Folha publicou agora há pouco. Algo eles estão preparando.

FOLHA DE S.PAULO
Bolsonaro se reúne com corregedor de Justiça e não explica presença de filho investigado
(Presidente recebeu no Planalto ministro Humberto Martins e senador Flávio Bolsonaro)

Talita Fernandes
BRASÍLIA
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) recebeu nesta quinta-feira (30) o ministro do Superior Tribunal de Justiça Humberto Martins, que é corregedor nacional de Justiça, acompanhado de seu primogênito, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).
Questionada sobre o assunto tratado na agenda, a assessoria de imprensa do governo informou que se tratou “da entrega de convite ao presidente para participação no 1º Fórum Nacional das Corregedorias – Fonacor, no dia 26 de junho”.
A Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) não deu detalhes sobre os motivos que levaram à participação do senador, já que o evento é organizado pelo Judiciário. O encontro ocorreu às 16h, no Palácio do Planalto.
Apesar do convite, Bolsonaro não comparecerá ao fórum das corregedorias, realizado em Brasília, pois estará em deslocamento para o Japão, onde participará da cúpula do G20 em Osaka, nos dias 28 e 29 de junho.
Procurada, a assessoria do senador não se manifestou até a publicação desta reportagem.
O encontro entre o parlamentar, o presidente e o corregedor ocorre em meio a tentativas de Flávio de frear as investigações das quais é alvo na Justiça.
Sendo corregedor nacional de Justiça, cabe ao ministro Humberto Martins, que integra o STJ (Superior Tribunal de Justiça), “receber reclamações e denúncias de qualquer interessado, relativas aos magistrados e aos serviços judiciários auxiliares, serventias, órgãos prestadores de serviços notariais e de registro que atuem por delegação do poder público ou oficializados”.
Como mostrou a Folha, Flávio propôs a terceira medida judicial contra a investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro sobre supostas práticas de crimes em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.
A defesa do filho do presidente apresentou na semana passada um pedido de habeas corpus ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro contra a decisão do juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal, que determinou as quebras de seus sigilos bancário e fiscal.
A Folha apurou que a peça da defesa, mantida sob sigilo, tem argumentos semelhantes aos apresentados pela defesa de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador e pivô da investigação.
Segundo o Ministério Público do Rio, há indícios robustos dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no gabinete de Flávio de 2007 a 2018, período em que Queiroz trabalhou com o então deputado estadual como uma espécie de chefe de gabinete.
A investigação do Ministério Público foi aberta após um relatório do governo federal ter apontado movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta bancária de Queiroz, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017.
Além do volume movimentado, chamou a atenção a forma como as operações se davam: depósitos e saques em dinheiro vivo, em data próxima do pagamento de servidores da Assembleia.
Queiroz já admitiu que recebia parte dos valores dos salários dos colegas de gabinete. Ele diz que usava esse dinheiro para remunerar assessores informais de Flávio, sem o conhecimento do então deputado. O senador nega todas as alegações do Ministério Público.

O PACTO DA DESTRUIÇÃO

Bolsonaro conseguiu o milagre de ser pior do que o jaburu. Para comemorar os três anos do golpe, o PIB bolsonariano caiu 0,2% de janeiro a março.
Os bolsonaristas vão dizer que ainda não deu tempo para governar. É uma desculpa furada. O que eles diziam é que a eleição do amigo do Queiroz se encarregaria de criar confiança e de iniciar logo a recuperação da economia.
Aconteceu o contrário. Tudo anda para trás desde que Bolsonaro assumiu. O Brasil está sendo destruído, desde o golpe de agosto de 2016, pelo maior desastre político, econômico, social e moral da sua História.

O PAPA E O SONEGADOR

Luciano Hang, o véio da Havan, atacou o papa porque Francisco enviou uma carta a Lula.
Deve ser por ciúme. O véio só recebeu cartas importantes enviadas pelo Ministério Público para que pagasse pelo menos R$ 10 milhões por sonegação.
Sonegou, o governo não foi pra cima do véio e o delito prescreveu, como sempre prescreve quando o envolvido é da direita, o que não quer dizer que não sonegou (ó exemplo clássico é o dos tucanos, que escapam sempre por causa da prescrição).
Hang já tentou retirar da internet uma reportagem do jornalista Flávio Ilha, publicada pelo Extra Classe, que o denuncia como sonegador (Havan: expansão com dinheiro público e sonegação, de 6 de fevereiro de 2018).
A Justiça refugou o pedido de censura do bolsonarista e também uma tentativa de reparação por dano moral.
O Extra Classe reafirmou: Luciano Hang recebeu empréstimos do BNDES e já foi denunciado pelo MP por sonegação e outras fraudes. O estranho é que as ações contra o sujeito gostam das gavetas do Judiciário.
Francisco deve estar muito preocupado com o véio sonegador da Havan, que enfrenta outras broncas com o Ministério Público. Em um dos processos ele é acusado de coagir funcionários a votarem em Bolsonaro.

(Abaixo, o link da reportagem sobre a tentativa do dono da Havan de censurar e tirar dinheiro do Extra Classe. E mais abaixo o link para a reportagem que ele tentou tirar da internet.)

https://www.extraclasse.org.br/justica/2019/05/justica-nega-apelacao-de-dono-da-havan-contra-o-extra-classe/

https://www.extraclasse.org.br/economia/2018/02/havan-expandiu-atividades-com-dinheiro-publico/