Uma live dentro da UTI

Por que se interessam pelos problemas de saúde de alguém que não é da nossa convivência?

Pela curiosidade, pela tentativa de identificação com o doente e muitas vezes pela atração mórbida.

Mas essa curiosidade é ampliada quando se trata de pessoa pública. E mais ainda se tiver cargo público e mandato e notório envolvimento com questões de saúde pública, principalmente com fake news.

É por isso que há interesse na situação de saúde da deputada Carla Zambelli, que está internada com Covid em Brasília desde segunda-feira, no Hospital DF Star. As pessoas têm o direito de saber o que acontece com ela.

A deputada foi protagonista de alguns dos mais condenáveis momentos da pandemia, quando ajudou a espalhar notícias falsas e investiu na disseminação de confusão e mentira sobre a vacinação de crianças.

Carla Zambelli é uma figura exposta, que está na arena da política e do debate público. Querer saber o que acontece com ela não significa invasão de privacidade e de questões íntimas.

É uma líder negacionista da extrema direita, foi pregadora da cloroquina como remédio milagroso, induziu as pessoas ao erro e agora, enquanto reafirma que não tomou a vacina, foi parar numa UTI.

Políticos devem se submeter à transparência sobre seus atos e suas posições, inclusive no momento em que adoecem.

A internação de Carla Zambelli é real, é concreta, não é uma fake news. E tem peculiaridades.

A deputada produziu um fato inédito no fim de semana, ao transmitir uma live de dentro da UTI. Nunca antes algo semelhante havia acontecido.

Durante os 12 minutos da transmissão ao vivo, ela relatou seus muitos problemas de saúde e deixou dúvidas como essa: como alguém com uma lista de doenças, algumas crônicas, que só está viva pelos recursos da ciência, pode se voltar contra a vacina e contra a ciência?

Algumas pessoa observaram que a deputada parece star usando uma roupa normal, e não a vestimenta de hospital, o que sugere que tomou cuidado com a imagem para fazer a live dentro de uma UTI.

É tudo muito estranho. Bolsonaro torceu para que a vacinação causasse mortes. Figuras que o seguem devem tornar públicas as informações básicas sobre a situação que enfrentam por não terem sido imunizadas, sob quaisquer argumentos e pretextos.

Só não é assim nas ditaduras ou em governos controlados por grupos fascistas, como aconteceu durante os quatro anos de Bolsonaro, quando quase tudo era escondido.

A população tem o direito de saber o que pessoas com mandato e com posições controversas têm a dizer e o que pretendem esconder.

2 thoughts on “Uma live dentro da UTI

  1. Se ela estava em condições de transmitir notícias falsas durante 12 minutos não deveria estar ocupando uma UTI. Nem pagando. Cretina!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 7 =