O coronel que virou cabo sem jipe

O coronel Mauro Cid foi acolhido, protegido e acarinhado pela família Bolsonaro na CPI do Golpe.

Flavio pediu que o militar mantivesse a serenidade e Eduardo disse que o Brasil sente orgulho da postura do coronel.

Mas Mauro Cid vai cair na conversa dos Bolsonaros? O chefe da família o empurrou para o inferno que ele enfrenta há 70 dias na cadeia.

Cid foi usado por Bolsonaro como mandalete de recados do golpe e agora é um coitado. Mas os filhos dizem que estão com ele.

Bolsonaro tirou do coronel a possibilidade de vir a ser general e o transformou num cabo sem jipe. Fez o mesmo com a vida do delegado federal Anderson Torres.

Destruiu a vida de 1.400 manés misturados a terroristas que invadiram Brasília em 8 de janeiro sem saber direito que prédio estavam destruindo.

Mauro Cid é a vítima mais graúda, porque mais próxima de Bolsonaro. Ele é quem acolhia as aflições de um grupo que deveria se dedicar ao golpe, mesmo que como delírio.

As mensagens encontradas no seu celular provam que ele funcionava como telefonista de Bolsonaro.

Era ele quem tinha a missão de receber mensagens golpistas, encaminhar a Bolsonaro e devolver as respostas, como fazia nas conversas com outros colegas militares.

Mas Flavio e Eduardo disseram na CPI que o ex-ajudante de ordens que apareceu fardado tem a admiração deles.

Em nenhum momento os filhos falaram em nome do pai. Porque aí seria demais, seria um deboche explícito.

Os filhos de Bolsonaro não teriam a coragem de dizer que o pai deles, que empurrou Mauro Cid para uma tarefa suicida, tinha mandado dizer que admirava o ex-mandalete do Planalto.

Mauro Cid disse, no único momento em que falou, lendo um texto prévio, que trabalhou com Bolsonaro por ordem do Exército.

Que a função “é exclusivamente de natureza militar”. Que a ajudância de ordens é “a única função de assessoria próxima do presidente que não é objeto da sua própria escolha”.

Que é da responsabilidade das Forças Armadas selecionar os militares que desempenharão a função na presidência da República.

Deixou claro que trabalhava para Bolsonaro não por ser seu amigo, seu admirador ou por ingerências políticas. Mas porque era militar.

Quis ressaltar que a CPI estava tentando interrogar um alto oficial das Forças Armadas, e não um ajudante qualquer de Bolsonaro.

Mas o que restou do depoimento que não aconteceu foi exatamente essa imagem, assim definida pelo deputado Paulo Magalhães (PSD-BA), que disse, como se o elogiasse:

“Que lealdade canina desse coronel”.

Tão canina, segundo Magalhães, que ele continuará calado e não vai delatar ninguém.

O deputado Rogério Correa (PT-MG), disse a respeito dos elogios dos Bolsonaro e de outros parlamentares da extrema direita:

“Aqui eles querem te agradar, para que você não diga nada”.

E Cid não disse nada mesmo. Cid é o que é. Percebe-se que ele nunca seria, se o fascismo continuasse no poder, o Chalaça de Bolsonaro.

Seria apenas o ajudante dos pagamentos das contas de Michelle com dinheirinhos vivos, das fraudes do cartão da vacina, da tentativa de recuperar as joias roubadas e da disseminação da ilusão do golpe.

Um ajudante com lealdade canina, mas só um ajudante.

3 thoughts on “O coronel que virou cabo sem jipe

  1. Ficou calado pq sabe que não vai dar em nada .
    Estão C@G@Nd() e ANDando para o Brasil. Só pensam em $$$$$.
    E ainda foi de farda para tentar intimidar.
    Nojo total.
    Dois pesos e duas medidas .
    Não seria assim se o investigado fosse alguém do campo progressista.

  2. O Tenente Coronel Cid mentiu na CPI. Sua afirmação de que a sua função é exclusivamente de natureza militar, não procede. A função de ajudância de ordens é exatamente uma função de assessoria próxima do presidente e é sim objeto de interesse do oficial. Há vários critérios para ser escolhido ou indicado, mas a “peixada” e o “QI” (quem indica) também pesa na escolha. Não podemos esquecer que Cid, assim como Pazuello e mais aquele pessoal que tomou de assalto o Ministério da Saúde, fazem parte do “clubinho das Forças Especiais” do Exército Brasileiro. Muitos oficiais gostariam de estar no lugar dele, porque é uma função que possibilita inúmeras vantagens na carreira de um oficial, além dos adicionais remuneratórios. Cid foi escolhido porque atendia aos seus interesses e também aos interesses do capitão. Se o seu objetivo ao comparecer fardado era intimidar os integrantes da Comissão, o tiro saiu pela culatra e ainda Conseguiu expor a Instituição Exército Brasileiro. Um oficial que falta com a verdade não é e digno de usar essa farda.

  3. Forças armadas não produzem nada de útil para o Brasil. Exceto por ações humanitárias e eleitorais, drenam desavergonhadamente os cofres públicos com gordas aposentadorias e pensões hereditárias, além dos privilégios bovinos, escoceses e penianos. Fora fascistas. Sem ANISTIA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 9 =