O MAU EXEMPLO DOS FARDADOS

Duas notícias constrangedoras para as Forças Armadas. A primeira é esta:

A Justiça Militar condenou 19 militares, sendo 11 oficiais, e outras sete pessoas por fraudes na compra de alimentos em unidades do Exército do Amazonas.

As investigações do caso revelaram que um dos empresários envolvidos chegou a contratar prostitutas e promover festa em um motel em Manaus, capital do Amazonas, para dois capitães que desempenhavam um importante papel no esquema fraudulento.

Respondem à ação penal dois coronéis, um tenente-coronel, um tenente, um subtenente, um major e cinco capitães, além de oito militares de baixa patente e empresários.

E esta é a segunda notícia que abate a autoestima do Exército:

Isabela Braga Netto, filha do ministro chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, aprovada pela própria Casa Civil para assumir uma gerência na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), com salário de R$ 13 mil, foi reprovada no ano passado ao tentar uma vaga temporária na 1ª Região Militar do Exército no Rio.

Agora, com aprovação do pai, será alta executiva da agência que regula o mercado de planos de saúde. Isabela será gerente de Análise Setorial e Contratualização com Prestadores.

Terá a função de cuidar da relação entre ANS, planos de saúde e prestadores de serviços, como hospitais. Atuará numa área administrativa. Mas é formada em design.

Não são poucas as previsões e advertências feitas sobre os riscos que envolvem a participação de militares no governo de Bolsonaro.

Além dos generais, conseguiram emprego no governo mais de 6 mil oficiais, nas mais variadas áreas. É muita gente.

Bolsonaro empurrou os militares para uma armadilha que nem os ditadores correram. Os oficiais, muitos ainda na ativa, são cúmplices do governo de um sujeito cuja família é investigada por ligações com milicianos.

E muitos deles cairão nas tentações do nepotismo e da corrupção. Um dos casos sob investigação (e saberemos um dia os resultados?) é o da compra superfaturada de matéria-prima para produção de cloroquina no laboratório do Exército.

E um general fracassa como comandante do combate à pandemia, no pior momento enfrentado pela saúde pública do país.

_____________________________________________________________

OS ESPIÕES DE MACRI
Mauricio Macri sabia do esquema de espionagem montado para vigiar Cristina Kirchner, congressistas e jornalistas considerados inimigos, e muitas das ordens para ação dos arapongas saíam do gabinete dele.

Foi o que disse o ex-diretor de Contrainteligência da Agência de Inteligência Argentina (AFI), Martín Coste (na foto com Macri), em depoimento à Justiça Federal.

A reportagem é do jornal El Destape, com link abaixo:

https://www.eldestapeweb.com/politica/espionaje-ilegal/un-agente-de-la-afi-menciono-a-macri-en-la-causa-por-el-espionaje-a-cristina-kirchner–20207229230?utm_medium=Notificacion&utm_source=Direct

2 thoughts on “O MAU EXEMPLO DOS FARDADOS

  1. No caso dos militares brasileiros: mais de 70 mil se candidataram ao auxílio emergencial por causa da covid-19. Eles correspondem a 20% do pessoal estimado da ativa das forças armadas. Metade devolveu o benefício, metade espera que os jornais esqueçam do assunto. A apropriação indevida é crime de estelionato

  2. Do jeito que as coisas andam nas forças armadas, com este esvaziamento de quadros da ativa para funções civis, em caso de guerra contra a Venezuela, quem é que vai ao front?

Deixe uma resposta para André Cipoli Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


3 + 8 =