O SISTEMA PODE EXPELIR DAMARES?

Divertiram-se com Damares Alves desde a aparição de Jesus na goiabeira. De lá até aqui, uma militante da fé que descreve aparições prosperou como gestora pública e militante de extrema direita e agora é senadora eleita.

Não há mais como se entreter com o que seria apenas folclórico ou grotesco. Não estamos diante de uma figura equivalente a um Severino Cavalcanti ou a um Antonio Paes de Andrade, o homem de Mombaça. Nunca estivemos.

Damares não se apresentará apenas como um possível ponto esdrúxulo fora da curva no Congresso. Ela, Sergio Moro, Hamilton Mourão e o Astronauta são a curva, com variações próprias.

O Congresso terá de lidar com eles e com a megabancada de extrema direita da Câmara como novo aprendizado. Nunca antes houve nada igual nem imaginável.

Mas é sempre possível indagar-se se algum deles, incluindo o retornado Magno Malta, poderá ser expelido da estrutura que vai acomodando o que seria a multiplicação da anormalidade, mas é ela mesma o ‘normal’.

A velha estrutura já expulsou do sistema Delcídio do Amaral, Demóstenes Torres, Eduardo Cunha e Selma Arruda. Mas poupou Aécio Neves, porque era de outras turmas.

Os muito fracos são expulsos do meio em que não conseguem sobreviver, pelas circunstâncias e por falta de berço e lastro na política e no Judiciário.

É a seleção natural, com participação do Supremo ou do TSE, que não se incomodam e não correm riscos com questões mais complicadas.

Um eleito de extrema direita hoje é mais do que uma complicação. Tem voto, geralmente com proteção religiosa e militar. Mas poderá deixar de ser tão poderoso, se o quase canibal for devolvido ao mundo de Ronnie Lessa.

A nova estrutura, que comeu o centro com banana caturra no primeiro turno, terá de se reorganizar sem Bolsonaro. E poderá, se as instituições reencontrarem a coragem perdida em algum canto, ser convidada a expelir alguém.

A maioria dos chegados na onda extremista pode, pelo talento que têm, ser absorvida pelo sistema que alguns deles tanto combateram ou fingiram combater. 

Mas e Damares? Ela já avisou que pretende ser presidente do Senado. Seria a primeira mulher a liderar a casa. A estrutura dirá quais são os riscos envolvidos e talvez não tope tanto atrevimento.

Damares é a caricatura do novo normal. Imprensa, Congresso, Supremo, TSE e instâncias superiores e inferiores das instituições sabem disso, porque trataram o fascismo com condescendência. E o centro engolido pelo bolsonarismo ajudou a criá-lo.

Damares é estrela resplandecente de uma turma que tem metade dos votos dos brasileiros. 

Mas talvez seja também o maior problema desse grupo, pelos impulsos moralistas que disseminam fake news invariavelmente associados à repulsa ao sexo. Damares passa dos limites e assusta as crianças e o próprio sistema.  

Ninguém imagina que ela possa vir a ser cassada antes de assumir. Mas, sem Bolsonaro, perderá a proteção, mesmo que tenha as imunidades de eleita.  

Todos os que tombaram antes, por algum deslize, por serem os mais fracos ao alcance da Justiça e por consentimento dos próprios pares, também tinham votos.

​​​​​​​Alguns tiveram vastos e podres poderes que já não valiam mais nada.

https://www.change.org/p/cassa%C3%A7%C3%A3o-damares-alves-antes-da-posse

5 thoughts on “O SISTEMA PODE EXPELIR DAMARES?

  1. Isso é um filme de terror! É de quinta categoria, mas com grande plateia garantida, infelizmente!
    Instituições? Grande mídia? É só prestar atenção no letreiro, ao final, e poderemos vê-las como “co-Produtores” dessa película inominável e abominável!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


7 + 2 =