BOLSONARO CONSEGUIRÁ ENGANAR OS POBRES E OS MISERÁVEIS?

A Folha divulgou um estudo de economistas do Insper (Instituto de Pesquisa e Ensino) que mostra que a disparidade de renda no país caiu entre 2002 e 2015, voltando a aumentar em 2016 e 2017.

Obviedades podem ficar mais óbvias, para que sejam melhor compreendidas, se tiverem dados que as comprovem. Esta citada acima é uma delas, porque foi percebida na realidade brasileira no período citado.

O resumo é este: a classe média e os pobres viveram melhor no período de governo de Lula e Dilma, com a renda crescendo acima da média nacional de 3% ao ano. Tiveram emprego, salário, comida, acesso à universidade (e a restaurantes e viagens).

Mas a Folha não diz que foi exatamente nesse período que o PT governou. Lula e Dilma nem são citados. O jornal poderia ter sonegado os nomes, como sempre sonega nesses casos, mas poderia pelo menos informar que eram governos do PT.

A pesquisa mostra que, a partir do golpe contra Dilma, o que aconteceu foi o fenômeno inverso: mais pobreza e mais concentração de renda. E, agora, todos sabemos que há mais gente na fila do osso, do pé de galinha e dos restos no caminhão do lixo.

E aí vem a grande questão acionada pelo bolsa família recriado por Bolsonaro com o nome de Auxílio Brasil. É possível que essas pessoas, a partir do recebimento dos R$ 400 previstos, passem a ver Bolsonaro como um salvador?

É triste, mas essa é a realidade. Podemos estar às vésperas da adesão de milhões de pobres e miseráveis à ideia de que Bolsonaro os salvou da fome e que isso resulta de um compromisso genuíno e duradouro.

Sabe-se que não é. Pobre também é o país que passa a raciocinar sobre os possíveis resultados de uma eleição a partir da mudança de comportamento de parcelas da população que, depois de empurradas para a miséria, podem aderir ao causador cruel da sua situação.

Será difícil medir com precisão essa adesão a Bolsonaro. Mas logo teremos, pelas pesquisas, indicadores dos efeitos políticos do novo socorro. Como irão se comportar os nordestinos?

O governo já avisou que metade do dinheiro do ‘novo’ programa irá para o Nordeste.

Hoje, o auxílio é concedido a 14,7 milhões de famílias. Com o novo programa (ou com o programa que muda de nome), passariam a ser 16,9 milhões de famílias.

Bolsonaro impôs a Paulo Guedes que o ministro se vire e pague uma ajuda de no mínimo R$ 400, o que em alguns casos (são nove modalidades de benefícios) representa o dobro do pago hoje.

Tem gente catando restos não nos lixões, mas nos caminhões de lixo, ou seja, não são pessoas que fazem parte do contingente que já se dedica a revirar sobras. É gente que ataca o caminhão na rua.

O Datafolha mostra que a rejeição de 59% a Bolsonaro, dos que não votariam nele em 2022, é sustentada pelos jovens, pelas mulheres, pelos negros e por homossexuais e bissexuais.

Entre os moradores do Nordeste, 70% dizem que não votariam no genocida de jeito nenhum. É muita coisa. É nessas famílias que o sujeito vai investir com a Bolsa-Eleição, depois de sonegar um socorro digno durante a pandemia.

É doloroso prever que muita gente que melhorou de vida até 2016, e que agora está sendo empobrecida por um governo fascista que odeia pobres, poderá, com o Auxílio Brasil, dar uma sobrevida à extrema direita no poder.

____________________________________________________________________

DEMANDAS DOS NOVOS TEMPOS
O Estadão online está dando de manchete uma matéria sobre as profissões mais requisitadas no momento no Brasil.

A primeira que aparece no título é esta: piloto de drone. Acreditem. O mercado brasileiro hoje não requisita mais tantos professores, engenheiros, médicos, pesquisadores, mas pilotos de drone.

Outra profissão bem requisitada, segundo o Estadão, é a de pentester, que vem a ser o cara que se dedica a fazer pentest, que (copiei da internet) é o método de teste usado para descobrir a vulnerabilidade no sistema de informática (redes de dados e de comunicação) de uma empresa ou de uma instituição à invasão de hackers.

E a outra profissão citada na manchete é a de líder de live streaming, que é (também copiei) a transmissão ao vivo de dados pela internet, em áudio ou em vídeo.

Popularizado com o desenvolvimento digital, trata-se de um recurso muito interessante para engajar sua audiência e realizar eventos de todos os tamanhos. Ou seja, é a tal de live.

Preparem-se porque aí estão o presente e o futuro.

One thought on “BOLSONARO CONSEGUIRÁ ENGANAR OS POBRES E OS MISERÁVEIS?

  1. O resultado da pesquisa certamente esclarece o motivo da baixa adesão às últimas manifestações antifascistas: pago passagens para ir às manifestações ou compro pés de frango? E por mais progressista que seja o empresariado ou a liderança religiosa, será que algum deles doaria recursos para atos antibolsonaro?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


2 + 5 =