Flávio Dino e os outros

O ministro Flávio Dino surpreendeu, logo no início da sabatina da Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Fez sua apresentação preliminar de improviso, depois de Paulo Gonet, indicado à PGR, fazer o que todos fazem: Gonet leu um texto escrito.

O candidato a procurador-geral apresentou seu currículo, citando inclusive o fato de que foi aprovado em primeiro lugar em pelo menos dois concursos. É o que deveria ter feito, é o que todos fazem. Levou informações aos senadores e foi correto.

Dino, na sequência, anunciou que apresentou ao Senado um texto escrito sobre sua trajetória, mas que não iria falar ali do seu currículo, mas da sua percepção do direito constitucional, da relação entre os poderes e das liberdades.

Foi uma fala talvez inédita nessas circunstâncias, porque um sabatinado sempre lê o que vai dizer, na apresentação, para não cometer erros. É assim também em depoimentos às CPIs.

Dino citou, sem afetação, de Max Weber a Jesus Cristo, e deixou claro, logo no início, o que foi como juiz federal, o que é como político e como irá se comportar como ministro do STF.

Vai ficar ruim para os demais, e os demais aqui são todos os que participam da sessão que deve aprová-lo como indicado por Lula para o STF.

Falaram logo depois os senadores Rogério Marinho e Espiridião Amin. Seria cruel tentar fazer comparações entre a fala de Dino e as intervenções dos senadoress bolsonaristas.

Até o procurador Paulo Gonet será ofuscado pela performance de Dino, mesmo que tenha feito uma apresentação sóbria, e depois, diante de perguntas-arapucas de Marinho e Amin, se comportado com discrição.

Teremos, até o final do dia, esse confronto de não-equivalentes. Dino é um Mercedes diante dos Chevettes da extrema direita. Nem é uma questão de brilho, mas de clareza e de raciocínio lógico diante das falas rasas da extrema direita.

E logo a seguir outros irão se manifestar, entre os quais Sergio Moro e suas aberrações de linguagem com mim, sem migo e contigos. É o custo a ser pago para ter Dino no STF.

2 thoughts on “Flávio Dino e os outros

  1. Moisés, AQUELAS DEZENAS DE CONVOCAÇÕES QUE AS cOMISSÕES FIZERAM AO LONGO DO ANO PARA QUE FLÁVIO DINO DESSE EXPLICAÇÕES FORAM UM FAVOR AO MESMO. ELE CALIBROU A MIRA, APRUMOU AS VELAS E ATROPELOU OS MEDÍOCRES. VEJA COMO É A VIDA. FIZERAM UM BOM SERVIÇO EXPONDO-SE E, DIANTE DA BRUTAL DIFERENÇA DE NÍVEL INTELECTUAL, FORAM MOÍDOS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


3 + 6 =