O 31 DE MARÇO E O GENERAL DA EDUCAÇÃO

Os militares que compartilham o poder e os corredores de Brasília com pastores traficantes de verbas e barras de ouro deveriam conhecer a história de um general gaúcho.

Um general do Alegrete, a terra dos latifúndios e de Osvaldo Aranha, João Saldanha, Mario Quintana, Lila Ripoll, Paulo Cesar Pereio.

Eram temidos os militares do Alegrete nos anos 70 da ditadura. A cidade de 60 mil habitantes tem seis quartéis. Soldados vindos de todo lado, com sotaques e chiados variados, andavam em enxames pelas ruas.

Temiam no Alegrete os tenentes R2 que metralharam o Clube Caixeiral em 1972. Alegrete era uma cidade de milicos atrevidos.
Mas ninguém temia o general Alcy Vargas Cheuiche. O general que lutou para que Alegrete e a fronteira gaúcha tivessem uma universidade.

Era presidente da Fundação Educacional de Alegrete, entidade que mantinha o colégio Emílio Zuñeda e a Faculdade de Economia, que depois virou a Urcamp. Mas Cheuiche queria mais, queria algo do tamanho de uma UFSM, a Universidade Federal de Santa Maria.

Me lembro bem dele. O general reformado, já de gravata, com quase 70 anos, eu com 18, repórter da Gazeta, de Bamba.

Me chamava ao seu gabinete, ao lado da igreja, para dar notícias sobre seus telefonemas e suas andanças em Brasília para conseguir a universidade.

Não havia como temer o general Cheuiche. Era assertivo, mas suave. Era cordial, respeitoso. Cheuiche era o que chamavam antigamente de homem fino.

Ele e dona Zilah recebiam em casa os perseguidos pela ditadura. Era um militar, com postura de militar, mas só falava de educação. Foi o general da educação.

Aquele descendente de libaneses teria vergonha hoje se visse colegas generais convivendo com destruidores das universidades federais e da educação.

A cada 31 de março me lembro do general Cheuiche. Morreu em 1998 aos 94 anos. Foi de um tempo em que no Alegrete (que já foi de Qorpo Santo, Mario Quintana, Lila Ripoll, Sergio Faraco, Paulo Cesar Pereiro, Osvaldo Aranha, Tyrteu Vianna, Laci Osório e Guto Pereira) até os generais eram transgressores.

Há muitos anos Alegrete é uma cidade que acolhe fascistas de toda parte. A ordem do dia do 31 de março deve estar sendo lida em voz alta, e por civis, na praça do Alegrete.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


2 + 9 =