O ESPELHO DE CARLITOS TEVEZ

Este é um assunto constrangedor na Argentina. Carlito Tevez, o jogador que construiu a imagem do menino pobre que não nega de onde veio, se recusa a pagar imposto para ajudar a socorrer a pobreza.

O jornalista Esteban Rafele, do jornal online El Destape, foi quem descobriu que Tevez recorreu à Justiça para não pagar o imposto sobre grandes fortunas, instituído pelo governo de Alberto Fernández com o apoio da grande maioria do Congresso.

Na Argentina, calculam que só Maradona construiu uma fortuna maior do que a de Tevez.

Há um conflito agora entre a posição adotada e suas origens. O craque do Boca Juniors tem cicatrizes no pescoço e faz questão de deixar assim. Nunca quis fazer cirurgia plástica, porque aquela é a marca definitiva da sua infância pobre.

As cicatrizes são de uma queimadura de quando ainda era bebê e, ao engatinhar pelo chão, foi até onde estava uma chaleira com água quente.

“Quando me olho no espelho, são elas que me lembram de onde venho e quem eu sou”, já disse Tevez, referindo-se à sua infância no bairro Fuerte Apache.

Aos seis meses foi abandonado pela mãe, e aos cinco descobriu que seu pai biológico, que nunca viu, havia sido morto em confronto com a polícia. Foi criado pela tia, irmã da mãe que desapareceu, e pelo marido dela.

O imposto sobre fortunas foi adotado logo depois do começo da pandemia, será pago por cerca de 13 mil pessoas físicas e já arrecadou cerca de US$ 3 bilhões.

Muitos milionários tentaram comprar terras e imóveis no Uruguai e se mudaram para Punta e Montevidéu para fugir da tributação. Tevez recorreu à Justiça. Não quer ajudar os miseráveis.

Cai a máscara de mais um ricaço que nasceu na pobreza e praticava a benemerência adotada como marketing, desde que pudesse ser descontada no imposto de renda.

Tevez também é negacionista e fez recentemente uma festa com aglomeração no aniversário da filha. A pandemia quebra o espelho de muitos farsantes.

_________________________________________________________________

O CASO DA BENETTON
Ainda sobre imagens farsantes, de empresas ou de pessoas. Segue o debate sobre a decisão da Adidas de enviar sua principal executiva no Brasil a um almoço com Bolsonaro.

A pergunta é: como uma marca sempre associada a ideias progressistas (seus abrigos eram usados até por Fidel Castro) cometeu a barbeiragem de cortejar Bolsonaro?

Pois nos anos 80 e 90, outra grande grife, a Benetton, construiu sua imagem como a marca da diversidade.

As mais belas e atrevidas propagandas já feitas sobre liberdades, respeito às diferenças, aos negros, aos índios, aos árabes, aos esquimós, aos gays, às pessoas com deficiências, a todas as gentes e cores eram de Oliviero Toscani, o fotógrafo genial que cuidava da propaganda do grupo.

Pois a Benetton se apropriou criminosamente de terras dos mapuches, moradores históricos da Patagônia argentina. A Benetton, que exaltava todos os povos, logrou os índios e seus descendentes.

A disputa pelas terras existe até hoje. A Benetton latifundiária, invasora de terras indígenas, não tem nada da Benetton que Toscani vendia como a marca da ousadia, da condenação da violência e do respeito aos outros.

No link abaixo, algumas mais atrevidas imagens produzidas por Toscani para a Benetton.

https://br.pinterest.com/miltonapasil/oliviero-toscani/

__________________________________________________________________

O HUMOR DE ANI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


5 + 2 =