O JUIZ QUE DESISTIU DE SER JUIZ, MAS AINDA QUER SER CHAMADO DE JUIZ

Sergio Moro não é mais juiz, desde encarcerou Lula e logo depois aceitou emprego no governo de Bolsonaro.

Mas o juiz Roberto Aurichio Junior, do TRE de Curitiba, decidiu que o lavajatista pode continuar se apresentando como juiz na campanha ao Senado.

A Federação Brasil da Esperança (formada por PT, PV e PCdoB) havia solicitado que a palavra fosse retirada das propagandas do ex-juiz ao Senado.

O artigo 12 da Lei das Eleições diz que o candidato pode ser identificado com o nome pelo qual é mais conhecido, incluindo aspectos da vida profissional, desde que não confunda o eleitorado.

Mas Moro não é mais juiz. Mesmo assim, segundo Aurichio, Moro é conhecido nacionalmente como juiz.

Não é juiz há quatro anos, mas pode dizer ao eleitor que é juiz sem ser juiz.

Assim funciona o nosso sistema de Justiça, que decide que um ex-juiz pode se apresentar como se fosse juiz, que nem aposentado é, o que poderia ser aceito como argumento.

Moro não se aposentou como juiz. Abandonou a magistratura para tentar ser ministro de Bolsonaro, ou candidato a uma vaga no Supremo ou candidato a presidente da República.

Mas outro juiz decidiu que ele pode dizer aos eleitores que é juiz, quando é apenas um ex-juiz suspeito.

One thought on “O JUIZ QUE DESISTIU DE SER JUIZ, MAS AINDA QUER SER CHAMADO DE JUIZ

  1. Ele é só o exemplo mais “ilustre” deste aspecto. Afinal tem tanto Cabo, Coronel, Sargento e outras patentes (duplo sentido mesmo) que com certeza não estão mais na ativa. Até mesmo o capitão (???) que foi expulso, QUE NÃO COLOCA O “TÍTULO” NO NOME, DE VEZ EM QUANDO FAZ QUESTÃO DE SER CHAMADO ASSIM. Mas se fizer uma pesquisa, também vamos achar professor, Bombeiro e sei lá mais o quê, que já deixaram de ser (ou nem foram) há um bom tempo.
    Mas não sei se vamos achar mais isto em partidos de direita do que em esquerda, mas com certeza as “patentes” vão estar mais na direita e os professores, na esquerda. Nos de centro não deve ter, até pelo simples fato que o tal centro nem existe mais nestes tempos de ultra polarização no Brasil. O centro exisitiu na época do PT como governo, agora é só uma palavra que alguns usam para não se intitularem como de direita em alguns ambientes mais progressistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


8 + 5 =