O POVO VOLTARÁ ÀS RUAS?

Muito antes da eleição de Bolsonaro, desde o golpe de 2016, as ciências sociais fraquejaram como orientadoras de rumos e de previsões. As ciências não são videntes, mas erraram quase tudo sobre as chances de Bolsonaro e o que veio depois.

Agora, as ciências nos abandonam, talvez pelo medo de errar de novo, às portas do que nos espera em 2021. E um dos grandes dilemas acumulados no Brasil é o da inércia paralisante.

As esquerdas lidam mal com uma questão elementar para qualquer possiblidade de protagonismo político. As esquerdas já não sabem, e a academia também não, se as pessoas têm força para voltar às ruas.

Voltar não agora, não amanhã, mas quando as vacinas nos devolverem quase tudo do que tínhamos de normalidade. O povo pode voltar às ruas depois da pandemia?

O povo que vai às compras sem medo na 25 de março, o espaço das mais famosas aglomerações do Brasil, pode retornar às ruas para reagir à inflação, ao desemprego, ao desalento, ao fim do auxílio emergencial e aos rolos da família Bolsonaro?

Essa pode ser uma expectativa da classe média branca e crítica do que considera como o imobilismo dos outros. Mas essa mesma classe média que derrubou Dilma não reage desde antes da pandemia.

Há silêncio nos corredores das universidades públicas ocupadas como nunca por pobres e negros. As velhas universidades e os novos institutos federais são o reduto de pobres, pardos e negros. E nunca o ambiente do ensino superior foi tão silencioso.

A resignação é um incômodo para as militâncias e as ciências que ainda tentam compreender as esquerdas. Tudo está silencioso. O povo que chegou à universidade, o professor que acolhe o povo, a ciência que deveria entender o que se passa com o professor e o povo.

O Brasil parece ter desistido de querer entender o alheamento geral. Somos um país de atritos e de torcidas, e toda torcida virtual parece militância, mas quase sempre é apenas torcida.

Viramos o país do abaixo-assinado e das lives que nos confortam com ideias compartilhadas sempre pelas mesmas turmas.

O Brasil pode ser um dos poucos países do mundo todo, inclusive o mundo paupérrimo, que não tem um plano de vacinação. É certamente a única grande democracia que nunca teve um planejamento de saúde pública contra a pandemia.

E nada de consequente acontece. No Brasil, dois terços da população desistiram do governo e aguardam pelas instituições, que esperam pelo povo. A possibilidade de volta à normalidade pode ser apenas o aprofundamento das desilusões.

Voltar à normalidade talvez não signifique a possibilidade de ver o povo nas ruas de novo (como aconteceu no golpe de 2016). Porque a normalidade política passou a ser o povo quieto em casa.

As pessoas só saíram às ruas na pandemia por cansaço e para afrontar as medidas de prevenção. Quando puder sair para protestar e manifestar raivas, medos, demandas e os sonhos que restam, é provável que volte a ficar em casa, onde estava desde o golpe de agosto de 2016.

O Brasil está à espera da prova de que ainda tem juventude e estudantes com vitalidade física e política. É doloroso, mas é a realidade. Negá-la pelo silêncio é uma forma de reforçar a inércia e o desalento.

4 thoughts on “O POVO VOLTARÁ ÀS RUAS?

  1. Este teu comentário me fez lembrar de um fato da minha juventude, quando eu era dirigente sindical. Havia uma fábrica em que a exploração estava evidentemente insuportável. Convocamos uma assembleia e propomos uma greve, que teve pouca participação e os trabalhadores a rejeitaram. Dois meses depois alguns trabalhadores vieram pedir uma nova assembleia, que a situação estava insuportável. Falamos: mas já não estava há dois meses atrás?, provocamos com ceticismo. Porém cedemos e convocamos A assembleia, que lotou, decretou a greve, mesmo sendo alertados que a mesma seria decretada ilegal. Foram Duas semanas de fabrica parada, com a vitória ao final.
    TAlvez a insatisfação necessite um tempo para que gere a indignação que nos mobiliza. A pasmaceira pode ser apenas a aparência de uma superfície, a calma que oculta uma correnteza vigorosa em formação nas profundezas , que em algum momento agitará as ondas.

  2. Excelente análise. O avanço da tecnologia é inquestionável, mas traz algumas consequências comportamentais. Atualmente, e já de algum tempo, as pessoas estão isoladas, em si mesmas e junto de seu celular, computador, aparelhos domésticos, TVs,etc,etc. Sobre as “lives” estão cada dia mais insuportáveis. Tem sua utilidade, mas a desapoximação das pessoas, agudizada pela pandemia, reforça exatamente o que retratas nesta tua escrita.O chamado povo, perdeu o rumo. E sobre a juventude, lamentavelmente não estou muito esperançoso, pois me transparece que a alienação lhe tomou conta.

  3. O povo votou em Bolsonaro em 2018 porque estava cansado de protestos que interrompem o trânsito.
    (Segundo Davi Coimbra. Ou Túlio milmann, não lembro)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


6 + 1 =