O ritmo certo para chegar aos manezões

O ministro Flavio Dino pede que não tenham pressa nas investigações do caso da agressão ao ministro Alexandre de Moraes em Roma. Que tenham calma, porque provas decisivas dependem de vídeos que virão da Itália.

E o acesso a essas provas só será possível depois dos trâmites previstos em acordos internacionais.

Dino espera que Polícia Federal, Ministério Público e outros organismos envolvidos nas negociações com os italianos não façam o que o lavajatismo fez em Curitiba, quando Moro e Dallagnol encaminhavam negociações diretas e secretas com os americanos.

Dino age com sensatez. As agressões de Roma vão se transformar, com qualquer desfecho, no caso emblemático do enfrentamento ao fascismo.

Será emblemático independentemente dos resultados, se favoráveis à democracia ou à extrema direita e ao golpismo.

Por isso o caso pede que não tenham pressa. E também por isso não pode ser levado adiante com excesso de lentidão.

É do resultado da investigação desse episódio que pode depender a evolução de todas as sindicâncias sobre o núcleo com poder do fascismo envolvido em articulações golpistas.

Esse núcleo com poder econômico, que ainda não foi alcançado pelo sistema de Justiça, tem na família flagrada em Roma um grupo exemplar.

São representantes da base bolsonarista com dinheiro, que teve poder político, que desfruta de força empresarial nas comunidades e ainda tem o suporte residual da estrutura montada no governo de Bolsonaro.

Não há como agir com pressa. E não há como aceitar que o desvendamento desse caso se arraste no ritmo de outras investigações, como as que envolvem tudo o que cabe no que se define genericamente como gabinete do ódio.

Gente com poder econômico teve protagonismo nas suspeitas de abusos cometidos pela chapa Bolsonaro-Mourão, que resultaram em duas ações no TSE.

Escaparam no TSE e estão escapando até hoje dos inquéritos abertos a partir de abril de 2019 no STF. Ainda escapam de indiciamentos todos os que estão na lista de criminosos da CPI da Pandemia.

Escaparam de indiciamento os grandes financiadores do golpe, os financiadores e organizadores dos bloqueios de estradas e dos acampamentos nos quartéis. Dessa turma, só manés foram presos e viraram reús.

O andamento da investigação sobre o caso de Roma pode alongar no tempo a sensação de impunidade desse núcleo de manezões endinheirados, como também pode representar um novo marco na guerra contra o fascismo.

Por isso é preciso avançar sem pressa que pareça afobação, mas sem demora que pareça cansaço e resignação.

One thought on “O ritmo certo para chegar aos manezões

  1. DINO ESTÁ CERTÍSSIMO EM ALIAR CAUTELA COM DETERMINAÇÃO NAS APURAÇÕES. NÃO SE PODE DAR MARGEM PARA DUPLA INTERPRETAÇÃO na ação penal. ESSA TURMA BOLSONARISTA CONTA COM OTIM@S ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA E CONTABILIDADE, ALÉM DO APOIO DE REDES SOCIAIS E DE EMISSORAS DE TV QUE NORMALIZAM A PROPAGAÇÃO DE MENTIRAS, E DE BANCOS QUE MANIPULAM OU ESCONDEM MOVIMENTAÇÕES SUSPEITAS, A FIM DE CRIAR DIFICULDADES NAS INVESTIGAÇÕES. SEM ANISTIA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


8 + 1 =