O SILÊNCIO DIANTE DOS MILIONÁRIOS GOLPISTAS

Bruno Boghossian, da Folha, é o único jornalista da grande imprensa a abordar até agora a articulação de empresários milionários para a aplicação de um golpe, se Lula for eleito.

E os outros jornais e jornalistas? Os outros estão tratando de notícias velhas como se fossem novas.

O único da grande imprensa a dar uma notícia, reproduzindo o que saiu no Metrópoles, foi o UOL. A maioria está naquela do me-deixa-fora-disso.

Esse é o texto de Boghossian, publicado ontem, logo depois da denúncia de Guilherme Amado no site Metrópoles.

Folha de S. Paulo/Bruno Boghossian
Com empresários golpistas, Bolsonaro realiza o sonho da elite própria

Em menos de uma semana, Jair Bolsonaro conseguiu preencher uma cartela com o repúdio de quatro grupos influentes da vida nacional. Na quinta passada (11), um manifesto encabeçado por intelectuais e pela elite econômica denunciou as ameaças golpistas do presidente. Cinco dias depois, cardeais da política e dos tribunais se opuseram aos ataques do capitão e aplaudiram as urnas eletrônicas em cerimônia no TSE.

Bolsonaro disputou a última eleição com o figurino de um candidato que desafiava os interesses dos ricos e poderosos. O presidente tenta renovar a imagem sempre que se vê isolado por esses grupos: andou dizendo que os bancos só defendem a democracia porque perderam dinheiro com a criação do Pix e alega que o establishment trabalha contra ele porque seu governo não cedeu a velhos conchavos.

A ideia é a mesma desde a campanha passada: assumir o rótulo de um movimento antielitista e reivindicar uma suposta legitimidade popular a favor de seus interesses políticos. Essa linha vale tanto para o discurso eleitoral clássico como para suas incansáveis propostas de ruptura (“eu faço o que o povo quiser”).

Apesar de aproveitar o personagem, Bolsonaro está muito bem servido por uma elite que parece disposta a ficar a seu lado para o que der e vier. Não são poucos os endinheirados que apostam numa vitória do capitão, enquanto outros querem que ele permaneça no poder mesmo que seja derrotado nas urnas.

Há meses, um grupo de empresários lidera uma torcida organizada do golpismo pelo WhatsApp. Segundo uma reportagem do site Metrópoles, estão lá o notório Luciano Hang e os donos das marcas Multiplan e Coco Bambu, entre outros. Um deles disse abertamente preferir um “golpe do que a volta do PT”.

Com empresários amigos, políticos poderosos alimentados com verba pública e aliados em postos-chave, Bolsonaro realizou o sonho da elite própria. Resta saber se essa turma está disposta a pagar a conta dos delírios autoritários do capitão.

One thought on “O SILÊNCIO DIANTE DOS MILIONÁRIOS GOLPISTAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


5 + 1 =