O silêncio que consome Mauro Cid

A prisão do coronel Mauro Cid, em 3 de maio, foi o último fato de impacto envolvendo um personagem da tentativa de golpe de 8 de janeiro.

Mas é preciso lembrar que Cid não foi preso pelas investigações sobre o golpismo, mas pela suspeita de participação no caso da fraude do cartão de vacina de Bolsonaro.

Com as investigações da fraude, apareceram para a Polícia Federal, no celular do sujeito, provas dos casos das joias das arábias e do golpe. E desde então nada de relevante aconteceu.

Nesses dois meses, mais de mil manés foram transformados em réus, o coronel Jean Lawand Júnior foi ouvido pela CPI sobre sua participação na turma de Mauro Cid, e só.

E a condenação pelo TSE, em 30 de junho, que tornou Bolsonaro inelegível? A condenação foi por abuso de poder político, por ilícito eleitoral cometido em julho de 2021. Os inquéritos do golpe mesmo ainda estão fermentando.

O que se tem hoje são os manés que viraram réus como exércitos anônimos e brancaleones do golpe. São anônimos e desimportantes no histórico golpista também os financiadores presos, que não estão e nunca estiveram na ponta do esquema.

Manés e financiadores são de grupos subalternos ou intermediários do bolsonarismo, os primeiros em maioria induzidos a algo que nem entendiam direito, e os segundos acionados, como pequenos e médios empresários, para custear despesas com ônibus, alimentação e banheiros químicos.

Os financiadores presos são, com certeza, mais importantes para que as investigações cheguem a gente com algum protagonismo no golpe. Alguns deles podem ser ricos, mas não são eles os grandões que investiram no golpe.

Pois nessa terça-feira Mauro Cid depõe na CPI Mista do Golpe e o que estão prevendo é que ele não dirá nada.

Como é um sujeito aparentemente mais frágil e mais exposto do que o coronel valentão Jean Lawand, deve ser orientado a não falar para não se perder e dizer bobagem.

Lawand, flagrado em conversas criminosas com o colega, disse no depoimento que era Cid quem sabia o que Augusto Heleno fazia no entorno de Bolsonaro.

Quando perguntaram por que Heleno era citado nas mensagens trocadas entre os coronéis, Lawand afirmou que Cid é quem deveria saber, porque ele é quem falava do general.

Mauro Cid se metia em tudo. Era quem coordenava as tentativas de recuperar as joias, geria os pagamentos das continhas de Michelle, informava-se sobre o cartão de vacina do chefe e agregava os que se movimentavam em direção ao golpe.

Ele é que municiava Bolsonaro com todas as informações que considerava importantes para as decisões do líder dos golpistas.

É improvável que tenha existido, mesmo na ditadura, um militar de alta patente que tenha se dedicado tanto a um governo atuando como mandalete da ajudância de ordens em várias frentes ao mesmo tempo.

Nunca existiu antes um faz-tudo tão prestativo e múltiplo como Mauro Cid. Ele sabe o que poucos devem saber. Mas o que irá contar e quando?

A ministra Cármen Lúcia determinou que o coronel deponha, mas permitiu que fique em silêncio. É o silêncio, desde que foi preso, que protege e consome Mauro Cid.

Quanto mais se prolonga o silêncio de Cid, mais se aprofunda seu sofrimento. Bolsonaro destruiu a vida do seu ajudante de ordens e o condenou a não ter voz nem vontades.

O coronel era um robô auxiliar do golpe que pifou por saber demais e não ter controle algum sobre o que sabia.

One thought on “O silêncio que consome Mauro Cid

  1. No pouco tempo que passei no Exército Brasileiro cumprindo o Serviço Militar Obrigatório, dei baixa do quartel acreditando que os oficiais eram pessoas extremamente honestas, éticas e justas, mas só que não. São funcionários públicos fardados com as suas peculiaridades e o mesmo corporativismo que atinge a todas as categorias. Tenente Coronel Cid é só a ponta do iceberg. Bolsonaro expôs a verdadeira face da Instituição. Oficiais dispostos a tudo para aumentar seus rendimentos, pouco preocupados com a “pátria amada Brasil”. Eu então soldado recruta, aprendi que de todas as transgressões disciplinares que um militar não poderia cometer, porque era uma falta grave. Faltar com a verdade, ou seja, mentir. O que nós testemunhamos hoje nas últimas CPMI são oficiais generais, último posto da hierarquia militar, envolvidos em práticas condenáveis, mentindo descaradamente em rede nacional. Pobre Exército! Pobre Caxias!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


8 + 4 =