Pela memória do reitor Cancellier

O ministro da Justiça, Flavio Dino, assumiu hoje o compromisso de mandar investigar os envolvidos nas operações que levaram à perseguição, à prisão e ao suicídio do reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, da Universidade Federal de Santa Catarina, em 2017.

Ficamos sabendo agora que o Tribunal de Contas da União arquivou as denúncias com acusação de corrupção que desencadearam a caçada a Cancellier.

Flavio Dino anunciou hoje pelo Twitter:

“Com base na decisão do TCU sobre as alegações contra o saudoso reitor Luiz Carlos Cancellier, da UFSC, na próxima semana irei adotar as providências cabíveis em face de possíveis abusos e irregularidades na conduta de agentes públicos federais”.

Nunca provaram nada contra o reitor. Mas os perseguidores, em ação coordenada de Polícia Federal, Ministério Público e Judiciário, estão impunes.

Esclarecer a perseguição e identificar os perseguidores é contribuir para chegar a todos os protagonistas do lavajatismo também em Santa Catarina.

Quando chegarem oficialmente aos perseguidores de Cancellier, chegarão também a boa parte das explicações para a transformação de Santa Catarina no maior antro da extrema direita no Brasil.

Quem quiser entender o que levou à caçada a Cancellier, precisa ler ‘Recurso final – A investigação da Polícia Federal que levou ao suicídio de um reitor em Santa Catarina’ (editora Objetiva), de Paulo Markun.

Os nomes mais repetidos da Operação Ouvidos Moucos que aparecem ali e que devem reaparecer agora nas investigações acionadas por Dino são os das famosas delegada da Polícia Federal Érika Marena e da juíza Janaína Cassol Machado, da 1ª Vara Criminal Federal de Santa Catarina.

Erika trabalhou antes na Lava-Jato e depois de atuar em Santa Catarina foi chamada pelo então ministro Sergio Moro para chefiar o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional, no Ministério da Justiça.

Participei de duas entrevistas na DCM TV com Paulo Markun sobre a perseguição ao reitor. Markun não achou nada no inquérito que incrimine o professor e a universidade.

Esperemos que o jornalismo sem medo subsidie as investigações para que os caçadores de Cancellier sejam finalmente enquadrados. Mesmo que a grande imprensa tenha sido covarde na abordagem desse caso e de tantos outros envolvendo a ação de justiceiros acionados ou inspirados em Sergio Moro e Deltan Dallagnol.

O jornalismo cúmplice ou acovardado pelo lavajatismo ajudou a fomentar a caçada que levou ao suicídio do reitor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


5 + 1 =