PARTICIPAR DE MANIFESTAÇÃO NÃO PODE. MAS DE GENOCÍDIO PODE?

A presença de Eduardo Pazuello ao lado de Bolsonaro, no desfile dos motoqueiros no Rio, preocupa os militares. É o que os jornalões informaram, com suas fontes encobertas, logo depois da manifestação.

Dizem que a aparição de Pazuello causa apreensão pelas questões política e disciplinar e que por isso ele deve ser mandado para a reserva. Mas um ato desse porte é algo que não deveria preocupar, e vamos mostrar os motivos mais adiante.

Pazuello não deveria estar ali, segundo o Estatuto dos Militares e Regulamento Disciplinar do Exército. Vamos ver que, no contexto dos desatinos da pandemia, a performance, que teve até discurso, não parece tão grave.

Primeiro, é estranho que o alto comando do Exército esteja preocupado com Pazuello numa manifestação, se ele fez coisa muito pior como ministro da Saúde. O militar é acusado de ter participado, por ações e por omissão, de um genocídio.

Mesmo assim, a imagem das Forças Armadas parece estar blindada. Altos oficiais foram expulsos há pouco do comando das três armas e do Ministério da Defesa, por se negarem a ser cúmplices de blefes de golpe, e não aconteceu nada de mais grave.

Uma evidência de que a imagem das Forças Armadas talvez não sofra danos irreparáveis é a última pesquisa do Datafolha sobre a presença dos militares no governo.

Saiu no sábado. É a terceira pesquisa em que o instituto da Folha pergunta se os militares devem ocupar cargos no governo.

A pesquisa mostrou que 54% dos entrevistados são contrários à presença dos militares e que 41% são favoráveis. Exatamente um ano atrás, 52% eram contra e 43% eram favoráveis.

A contrariedade mudou muito pouco, apenas dois pontos, mesmo depois da demissão do ministro da Defesa, Fernando de Azevedo e Silva, dos três comandantes de Exército, Marinha e Aeronáutica, e das confusões com Pazuello.

Em abril de 2019, na primeira pesquisa, no quarto mês do governo Bolsonaro, apenas 36% consideravam a presença dos militares negativa e 60% aprovavam a participação.

É natural, com os desgastes que os militares sofreram no governo (mais de uma dúzia de generais foi mandada embora por Bolsonaro), que o apoio de 60% tenha caído para 43% de 2019 para 2020.

Mas não caiu quase nada de 2020 para 2021. E a pesquisa deste ano foi feita menos de dois meses depois da limpeza no comando militar em 30 de março. É quase o mesmo tempo desde a demissão de Pazuello em 15 de março.

Pazuello ficou um ano no Ministério da Saúde, saiu como um dos responsáveis pelo genocídio, e a pesquisa não mostra nenhum grande abalo na imagem dos militares no governo Bolsonaro.

O eleitor médio se mostra indiferente aos estragos que Pazuello promoveu como ministro e pela sua proximidade com Bolsonaro. E a crise da demissão dos comandantes também parece algo distante da população.

É provável até que Pazuello não tenha mais sua imagem pessoal associada à imagem das Forças Armadas. Pazuello pode ter passado a ser um ente à parte.

Quando ele aparece de máscara na manifestação no Rio e tira a máscara quando se aproxima de Bolsonaro, Pazuello arranja um jeito de bater continência para o tenente.

Pazuello respeita Bolsonaro, sem máscara, e talvez não esteja nem ligando para o que os jornais chamam genericamente de “cúpula do Exército”. Bolsonaro mandou embora todas as cúpulas das três armas e tudo continuou como antes.

É provável que a imposição de Bolsonaro se sobreponha a eventuais temores de militares da ativa. Que poder têm esses militares para manifestar desconforto com a militância de Pazuello, com suas mentiras na CPI e com a adesão absoluta e incondicional aos comandos da extrema direita no poder?

São perguntas que ninguém sabe responder direito, nem os que que estão dentro da baleia. Que poder têm os militares desconfortáveis com o genocídio diante do poder de Braga Netto ou dos filhos de Bolsonaro?

É ruim, é vexatório, é uma vergonha histórica, mas talvez os altos comandos não consigam fazer nada que impeça o acesso de Pazuello, mesmo como ex-ministro, aos eventos com Bolsonaro.

Talvez seja o caso de relaxar um pouco, de não levar tudo tão a sério. O que o Datafolha diz com a última pesquisa é que ninguém deve se estressar muito com imagem das Forças Armadas.

A população não está ligando para a relação Pazuello-Forças Armadas. A sensação geral é a de que, por enquanto, está tudo dominado.

Mandem Pazuello para a reserva, livrem-se dos seus maus modos e passem a pensar no que fazer com Bolsonaro.

2 thoughts on “PARTICIPAR DE MANIFESTAÇÃO NÃO PODE. MAS DE GENOCÍDIO PODE?

  1. Se o general tivesse um mínimo de dignidade, teria entrado no evento já SEM máscara!!! Ao tirá-la somente ao subir no palanque, mostrou que não passa de um “capacho, lambe-cuturno do tenente” !!! DEPRIMENTE!!!

    1. O maior peso que vem de fora e está sobre nossas cabeças é o peso da lavagem Cerebral!

      Existe um câncer que está em partido políticos. Uma vigarice patogênica, que nos pega por publicidade e propaganda bem elaborada. Estilo João Santana. Eis:

      A propaganda e publicidade de marketing político ao estilo de João Santana? Sim! por muitos e muitos anos a fio. Cansativo e uma verdadeira “lavagem cerebral” política. Tornar o barango do PT, “elegante” (do PT®).

      O Brasil vive consequência de nosso passado político bem atual (2 décadas).
      Fome, falta de moraria, atraso, breguices, escolas ruins, falta de hospitais: concreto…
      O resto são frasinhas® poderosas:

      Fatos bem recentes na política brasileira. Veja:
      A “Copa das Copas®” do PT® em vez de se construir hospitais, construiu-se prédios inúteis! A Copa das Copas®, do PT© e de lula©.

      Nada se fez em 13 anos para esse mal brasileiro horroroso. Apenas propagandas e propagandas e publicidade. Frasinhas.

      Qual o poder constante da propaganda ininterrupta do PT®?
      Apenas um frio slogan, o LUGAR DE FALA do Petismo® (tal qual “Danoninho© Vale por Um Bifinho”/Ou: “Skol®: a Cerveja que desce Redondo”/Ainda: “Fiat® Touro: Brutalmente Lindo”). Apenas signos dessubstancializados. Sem corporeidade.

      Aqui a superficialidade do PETISMO®:
      Signos descorporificados. Sem substância. Não tem nada a ver com um projeto de Nação. Propaganda:
      Nem tudo que é legal é honesto. O PT® nos induz ao engodo com facilidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


5 + 4 =