A ELEIÇÃO QUE PODE SER DECIDIDA PELA HOMOFOBIA

Sempre disseram que João Doria era um bolsonarista enrustido, até se autoproclamar como Bolsodoria em 2018. Falavam o mesmo de Eduardo Leite. Mas os dois foram oportunistas, e não bolsonaristas.

Não tinham histórico de bolsonarista, nem jeito e nem vocação para bolsonarista. Na eleição de quatro anos atrás, jogaram-se nos braços de Bolsonaro, mesmo que não percebessem reciprocidade.

Elegeram-se, por orientação de pesquisas e de marqueteiros, como se fossem aliados de Bolsonaro. 

Leite foi mais longe e juntou líderes e quadros da extrema direita para se eleger e para governar. Na pandemia, tiveram a chance de saltar fora.

Doria virou o calça apertada, na definição de Bolsonaro, e ficou pelo caminho como presidenciável.

Eduardo Leite, que irritou o bolsonarismo com suas medidas protetivas contra a Covid, é agora o gay atacado por Onyx Lorenzoni, o adversário ao governo do Estado que diz oferecer aos gaúchos a chance de terem uma “primeira-dama de verdade”.

Quando ainda estava no armário, Leite cortejou o mesmo contingente organizado e declaradamente homofóbico e racista. Fora do armário, virou inimigo e passa a ser atacado por ser gay.

É esse o nível da campanha no Rio Grande do Sul, onde Daniel Krieger, Tarso Dutra, Sinval Guazzelli e outros líderes da direita mantinham, durante a ditadura – antes mesmo da abertura –, para consumo externo, relações de cordialidade com os adversários.

O fascismo passou a dominar as zonas de imigração europeia do Estado e agora sustenta eleitoralmente  condutas radicais inimagináveis. 

Leite é atacado no que Onyx considera seu ponto fraco: tem um namorado, e não uma esposa que possa apresentar como primeira-dama.

A política gaúcha, tão exaltada no século 20 como modelo a toda Terra, brinca de casinha. A escola de Damares Alves infiltrou um falso debate sobre costumes e fundamentalismo religioso num Estado de tradicionalismos e heroísmos fanfarrões.

Onyx induz os gaúchos de bota e bombacha a rejeitarem o político que não tem uma prenda para apresentar aos visitantes. 

Uma patroa a serviço do marido patrão, como manda a hierarquia dos Centros de Tradições Gaúchas, há muito tempo transformados em redutos de reacionarismo e machismo militarista. Uma ajudadora, na definição de Michelle Bolsonaro. 

Para que sua performance de macho seja irretocável, nessa sexta-feira Onyx aperfeiçoou o perfil. Depois de um debate na Rádio Gaúcha, Leite estendeu-lhe a mão para a despedida.

Onyx negou-lhe o cumprimento (sequência de fotos ao alto, de Mateus Bruxel, de Zero Hora). O aperto de mão, tão caro à política e à diplomacia, que ganha importância quanto praticado por contrários, é um gesto cantado em prosa e verso pelos gaúchos.

Por que Onyx negou-se a pegar a mão de Eduardo Leite, se essa não é uma afronta comum na política do Estado? 

Leite teve o aperto de mão negado por ser gay? É uma pergunta inevitável. 

Desde quinta-feira, houve um aumento nas manifestações de militantes de esquerda nas redes sociais, que abandonaram a neutralidade e irão apoiar Leite.

A homofobia pode decidir, para qualquer lado, o segundo turno no Rio Grande do Sul. 
  

4 thoughts on “A ELEIÇÃO QUE PODE SER DECIDIDA PELA HOMOFOBIA

  1. Caro Moisés: Não disponho aqui em Berlim do Mapa eleitoral para o primeiro turno da eleição para governador. Mas a julgar peoo mapa da eleição presidencial, a região mais propriamente “Bota e bombacha”, do jacuí para o sul, votou em peso no lula; quem garantiu mais votos para o ku-klux-koyzo e a extrema direita foi mesmo a região “polenta e café colonial”… Forte abraço, Flavio Aguiar.

  2. Leite deve calçar as sandálias da humildade para reconhecer seus tropeços políticos, abandonar suas divergências programáticas – imbecilidades impostas por um partido que sublimou no país – e consolidar uma aliança com o PT para continuar vivo na política. Desça do pedestal para o bem do RS.

  3. Assim como defendo na eleição Nacional a não omissão nas urnas para DERROTAr o FASCISMO, o fundamentalismo e moralismo HIPÓCRITA, acredito que não dá para SE omitir aqui.
    Não ao Onyx. Não ao voto nulo.
    Destaco: Sem comparação de Lula com LEITE. A escolha difícil é a do RS. Mas temos que ter consciência do risco maior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 7 =