É SÓ DERRUBAR BOLSONARO E CHAMAR ARMÍNIO FRAGA

Corre pelo Brasil afora como verdade uma bobagem que se repete há meses. Dizem que o impeachment de Bolsonaro poderia trazer confusão, como se fosse possível fazer uma escolha entre confusão e genocídio.

Quem diz essa besteira não sabe que, logo depois da queda de Bolsonaro, o país poderia, mesmo que com muitos conflitos, convergir para a pacificação.

E, como a política sabe fazer, caminharia para uma transição até o resgate da democracia, com todos os custos de uma ruptura.

E tem um cara capaz de segurar as pontas, no caso de Bolsonaro desmoronar, o que é cada vez mais provável.

É só aplicar o impeachment e chamar Armínio Fraga. Armínio tem o que Guedes nunca teve: é uma cabeça brilhante, nunca teria vínculos com milicianos e com a extrema direita, tem bons compromissos com a saúde pública e tem reputação.

Armínio já esteve no governo, como presidente do Banco Central, e conhece os humores do empresariado. Depois da queda de Bolsonaro (que pode até ser um golpe, ninguém sabe), é só avisar todo mundo que Armínio vem aí e vai comandar a economia.

Ah, mas é liberal. É, e daí? Alguém imagina que, depois do impeachment de Bolsonaro, um governo-tampão teria alguém com ideias de esquerda na economia? Vamos delirar menos.

Sem essa conversa de que Armínio seria um perigo. Um perigo não é nada perto do horror de Bolsonaro, Guedes e Pazuello.

(E menos também com essa ladainha de que o melhor para a esquerda é deixar Bolsonaro cair aos pedaços até as eleições, mesmo que mate metade da população. Tem gente que pensa assim.)

Armínio tem preocupação com medidas de proteção social, defende a saúde pública e parece hoje bem mais moderado em relação ao que já foi. É um economista a ser considerado, na hipótese do fim de Bolsonaro.

Escrevo a respeito do ex-presidente do Banco Central porque vi, já atrasado, a entrevista que ele concedeu esta semana a Maria Cristina Fernandes, do Valor Econômico, e que passou quase despercebida.

Abaixo, um resumo de observações de Armínio na entrevista, sempre com posições críticas em relação a Bolsonaro e prevendo, nas entrelinhas, o fim do sujeito;

1) As entidades empresariais não têm um histórico bom no Brasil e não podem ser confundidas com lideranças empresariais.

2) Bolsonaro já perdeu o apoio de muitas lideranças e do empresariado em geral, que procura de novo uma alternativa de centro.

3) Os empresários já entenderam que “aquela promessa de um modelo liberal na economia e de ser mais manso nos temas dos costumes” não se cumpriu. “Eu acho que isso já era”.

4) O respaldo dos empresários a Bolsonaro na eleição de 2018 foi um erro, foi “um infeliz apoio”.

5) Alguns empresários dizem que “um impeachment pode dar muita cor de cabeça e outros dizem que não dá mais para aguentar”.

6) “Há um descontentamento relevante e que está mobilizando as pessoas, disso não tenho dúvida”.

7) “Não vejo ele (Bolsonaro) chegando à próximas eleições com um histórico que mereça reeleição e acho que a população vai perceber isso. Isso se não acontecer nada nesse meio tempo. Como nós estamos conversando, pelo visto não é impossível”, disse ao se referir a um possível impeachment.

E aqui a opinião de Armínio Fraga sobre a tentativa de um grupo de empresários brasileiros de comprar as vacinas:

“Não acho uma boa ideia. Vivemos um movimento de escassez global (de vacinas). É preciso que haja uma coordenação para que as prioridades possam ser obedecidas. (…) Alguém do governo pode pegar o telefone e ligar pra lá e dizer: estou representando o governo brasileiro e quero comprar vacina, quero planejar os próximos 24 meses. Não é algo complicado. (…)
Não seria justo (no caso da compra tentada pelos empresários) deixar que alguém, por ter mais dinheiro, entre num leilão e tire vacina de um espaço que é público, é um bem público. É uma emergência nacional. É um caminho indesejável, seria uma pena se esse fosse o caminho escolhido. (…) Pela imagem da minha empresa, eu não chegaria nem perto disso”.

Esse é Armínio Fraga, que talvez a direita considere hoje muito de esquerda.

Armínio Fraga seria até um projeto de candidato de centro para 2022, se o conservadorismo brasileiro fosse menos óbvio e não tivesse sido corroído pelo apoio ao fascismo.

One thought on “É SÓ DERRUBAR BOLSONARO E CHAMAR ARMÍNIO FRAGA

  1. O país já estava sentindo saudades daqueles gênio$$$ dos anos 90. Malan, fraga, irmãos Mendonça de Barros e fhc fizeram a alegria do mercado financeiro, criaram empregos em ritmo de conta-gotas e dilaceraram o patrimônio público. De fato, o q é melhor para o país: o lixo mal cheiroso atual ou os engomadinhos com cheiro de naftalina francesa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


7 + 6 =