Marielle e as promotoras

Por que as promotoras do caso Marielle e agora do caso do porteiro falam como se fossem advogadas de defesa dos pontos de vista do bolsonarismo, se todas se anunciam como autoridades imparciais, cumpridoras dedicadas do princípio da impessoalidade e neutras em relação a engajamentos públicos com partidos ou políticos?
Se não são tudo isso, não deveriam estar sob suspeita? Imaginem se uma delas fosse lulista juramentada.
O interessante é que são três mulheres tratando do assassinato de uma mulher valente, militante feminista, defensora das liberdades, dos direitos sociais, dos pobres e dos negros.
As promotoras deveriam ter uma postura exemplar, para que fossem vistas como modelo do enfrentamento do machismo, do fascismo e de seus mandaletes assassinos.
Talvez não tenham essa postura porque Marielle foi tudo que elas nunca conseguirão ser.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


6 + 6 =