O mistério dos celulares impenetráveis

O advogado Frederick Wassef, que trabalha para Bolsonaro, teve quatro celulares apreendidos pela Polícia Federal no dia 17 de agosto deste ano, quando jantava numa churrascaria em São Paulo.

É público que os conteúdos dos celulares foram acessados pela Polícia Federal, que passa agora a analisar o que encontrou.

Já o empresário Luciano Hang teve dois celulares apreendidos pela mesma PF em 23 de agosto do ano passado. Até hoje os celulares não foram abertos pelos peritos a serviço da PF, ou não se tem nenhuma informação a respeito.

Nos dois casos, as senhas não foram cedidas pelos investigados. O advogado está em inquérito por causa da venda e recompra das joias das arábias de Bolsonaro, e o empresário por participação em grupo de tios do zap em conversas consideradas golpistas. 

Mas os celulares de um, apreendido há dois meses, foram devassados pelos peritos, e os celulares do outro continuam impenetráveis.

Em decisão de 18 de agosto último, o ministro Alexandre de Moraes decidiu prorrogar o inquérito contra Hang, que se autoproclama véio da Havan em vídeos e propagandas, e deu o motivo.

A prorrogação era por 60 dias, para que a PF continuasse tentando abrir os celulares. O prazo já venceu na semana passada e nada mais se fala no assunto.

Na decisão, o ministro anota que os dois celulares a serem periciados são da Apple, um modelo A2638 (iPhone 13 Pro) e o outro modelo A2633 (iPhone 13). E nada mais se sabe.

O Globo informou que os conteúdos dos celulares de Wassef serão repassados ao advogado dele para averiguação, até porque ele também é advogado.

Há preocupação em separar informações que possam ser consideradas confidenciais, da relação dele com seus clientes, porque assim manda a lei.

Só que Wassef não é apenas advogado de Bolsonaro, é investigado por ter feito a recompra do famoso relógio Rolex que Bolsonaro não poderia ter vendido. Por isso ele teve os aparelhos apreendidos.

O cliente de Wassef era o ‘dono’, ou se achava o dono do relógio, e também está sob investigação. Como separar aqui as conversas de advogado com cliente, se os dois são figuras suspeitas nos mesmos atos criminosos? 

Mas o que importa mesmo é que temos agora a informação de que os celulares de Wassef estão com conteúdos já em poder da PF. E que nada temos de informação sobre os conteúdos dos celulares do véio da Havan.

É de fazer pensar. Quatro celulares apreendidos há pouco tempo já tiveram seus compartimentos desvendados. E dois celulares apreendidos há mais de um ano continuam fechados como cofres indevassáveis.

É ruim para todos os envolvidos nas investigações. Por que só os celulares de Hang não permitem acesso? Por que ficaram um ano com a PF, sem que nada se divulgasse a respeito das investigações, até ficarmos sabendo em agosto que não foram abertos?

Por que a grande imprensa abandonou essa pauta, quando a todo momento trata do assunto, como o Globo tratou agora dos celulares de Wassef e trata dos aparelhos de Mauro Cid, Anderson Torres e Silvinei Vasques?

Alguém deve ter essas informações. Mas, em nome da transparência e de tratamentos equânimes, todos os brasileiros têm o direito de saber que mistério envolve os celulares do véio da Havan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


4 + 1 =