Um filme pior do que o powerpoint de Dallagnol

O jornalista Bernardo Mello Franco, da Folha, viajou de São Paulo a Curitiba, a convite dos produtores do filme “Polícia Federal, a lei é para todos”, só para constatar que o resultado é muito ruim.
Eu aqui na Aberta dos Morros, sem sair de casa, já sabia que o filme é mais do que ruim, é uma imitação grosseira de filmes americanos de mocinho de terceira linha. E foi o que Bernardo escreveu na Folha. Se ele tivesse falado comigo antes…
A Lava-Jato estendeu seus tentáculos à arte e ao entretenimento e pode manchar também a imagem do cinema nacional.
Os que foram à pré-estreia dizem que o filme consegue ser pior do que o powerpoint da rosácea do Dallagnol. É pior do que o filme sobre o Plano Real.
E continua o mistério sobre os donos do dinheiro que financiou este filme com diálogos de teatro de colégio. Ninguém vai delatar os financiadores secretos desta obra de arte?

Os tucanos presos

Andei ouvindo hoje que no filme A Lei é Para Todos, sobre a Lava-Jato, o juiz Sergio Moro (interpretado pelo Marcelo Serrado) manda prender três tucanos. Por isso o nome do filme é este, bem de acordo com a Lava-Jato…
A estreia é só em junho, mas tem gente comprando ingresso agora, para não perder a chance de ver um tucano preso na telona do cinema.
O cinema nacional faz milagres.