MORO E DALLAGNOL FRACASSARAM COMO PREPOSTOS DA EXTREMA DIREITA

Sergio Moro não é mais juiz. Deltan Dallagnol não é mais procurador. Pelas últimas decisões da Justiça em favor de Lula, sabe-se agora que os dois nunca foram nada. Fingiam saber fazer o que na verdade faziam como fingimento. Completados sete anos das ações arbitrárias da Lava-Jato, os dois (e outros menos famosos) abandonaram ou foram

SERGIO MORO CONSEGUIRÁ FUNCIONAR SEM DALLAGNOL?

Esqueçam o Aristides e pensem no que pode acontecer com Sergio Moro, quando o ex-juiz estiver participando do baile de cobras de 2022, não como alguém que fica nas beiradas da pista, mas como dançarino mesmo. Moro ainda está longe de entrar no baile, mesmo que, por inexperiência, ache que já entrou. Temos por enquanto

A DIREITA TEM OS LAVAJATISTAS, E AS ESQUERDAS TÊM O QUÊ?

Anunciam que mais um lavajatista deve concorrer a deputado federal em 2022. É o procurador Diogo Castor, da turma de Curitiba, expulso do Ministério Público por ter mandado fazer um outdoor de exaltação da própria Lava-Jato. As redes sociais, sites e blogs de esquerda falam com certa indignação da tentativa dos justiceiros de conquistar cargos

O DEBOCHE DE DALLAGNOL

Para atacar quem considera inimigo, no caso o PT, um procurador da República debocha da República. A reportagem de Vinicius Segalla, no DCM, sobre a manipulação da delação de Pedro Barusco pela turma de Curitiba, é um dos grandes feitos do jornalismo este ano. O link está logo abaixo: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/exclusivo-dallagnol-escreveu-parte-da-delacao-de-barusco-e-incluiu-pt-por-fins-politicos/

OS TORTURADORES DA MASMORRA DE CURITIBA

Os procuradores da Lava-Jato sabiam que eram mais do que investigadores e acusadores agindo pretensamente em defesa do patrimônio público. Sabiam que estavam muito acima do poder do Supremo e tinham certeza de que ninguém da estrutura da Justiça teria coragem de questionar suas ações. Eles sabiam que agiam como justiceiros e como membros de

E SE APARECER NA VAZA JATO O PACTO DE MORO COM BOLSONARO?

Não é improvável que apareça, em meio às mensagens da Vaza Jato, uma conversa em que os procuradores de Curitiba dizem sem volteios que a missão deles estaria cumprida se, além de condenar e prender Lula, a força-tarefa elegesse Bolsonaro. É possível que existam conversas em que eles interagem sobre o pacto pré-eleição de Sergio

A IMPRENSA APODRECEU JUNTO COM A LAVA-JATO

Não são poucos os jornalistas que cresceram na vida nos últimos anos e construíram carreiras invejadas como repórteres e comentaristas da Lava-Jato nas grandes redações. Sabe-se agora que grande parte dessa elite de jornalistas lavajatistas pagou um preço que não poderia ter pago para obter e disseminar informações a qualquer custo. As luzes jogadas nos

A REPÚBLICA DA ESTUPIDEZ

O melhor Big Brother do momento é a continuidade da Vaza Jato. As trocas de mensagens entre os procuradores e entre Deltan Dallagnol e Sergio Moro reafirmam o que já se sabia, mas acrescentam detalhes escabrosos. Todos eles estavam tomados pela certeza de que seriam celebridades porque produziam bobagens. Eram servidores públicos comportando-se como se

O CONSELHEIRO DE DALLAGNOL

Novas mensagens da Vazajato complicam a situação do repórter Vladimir Netto, que prestava serviços como conselheiro da área de texto e de estratégia política a Deltan Dallagnol. Quando da famosa condução coercitiva de Lula, sob pressão por causa da medida ilegal de Sergio Moro, Dallagnol tentou proteger seu chefe e enviou o rascunho de uma

DELTAN DALLAGNOL SÓ TRABALHAVA SOB O CHICOTE DE SERGIO MORO

Sergio Moro defendeu a entrega à Globo do grampo da conversa de Dilma com Lula, em 2016, com o argumento de que a população deve ter acesso a informações relevantes que o Judiciário não pode guardar em segredo. Defendeu a mesma posição em relação à divulgação do vídeo da famosa reunião ministerial de abril do