A direita perfeita

Coincidências do 17 de abril. Há um ano os batedores de panelas conseguiam autorização da Câmara para a abertura do processo do golpe que derrubaria Dilma.

E há cem anos nascia Roberto Campos, o pai de muita gente que se diz liberal e participou da articulação do golpe.

Tudo o que Campos imaginava pode se concretizar agora, exatamente no seu centenário, enquanto o Brasil adormece: o fim das leis trabalhistas e da Justiça do Trabalho, a extinção da Previdência pública, a precarização do SUS e a entrega do petróleo a quem der menos.

Mas Roberto Campos nunca imaginou que a direita no Brasil chegaria à perfeição com a tomada do Ministério Público e do Judiciário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


2 + 7 =