AOS CRETINOS QUE ME PEDEM PARA SER “NEUTRO”

Nunca li textos de militantes, líderes ou pensadores do Hamas ou do Hezbollah para procurar entender o massacre de palestinos por Israel. Sei que não preciso desse tipo de leitura.

Já li muito sobre a história e a atual situação dos palestinos. Mas há anos leio autores judeus. Não apenas israelenses, mas judeus mesmo. E não aceito, nunca aceitei, conversas bíblicas que tentem explicar expansionismos e matanças.

Não leio mais pregadores esquerdistas, nem antissemitas e nem antissionistas. Não leio nada que possa me oferecer o que eu já não saiba há muito tempo.

Leio autores que poderiam apenas estar do outro lado e que refletem sobre os horrores da situação imposta pelo fascismo de Israel. E que são judeus.

Leio judeus falando de judeus tomados por posições irredutíveis e absolutistas. Eu leio David Grossman, autor do monumental “A mulher foge” (Companhia das Letras), que perdeu um filho nessa guerra e se mantém cada vez mais lúcido.

Leio coisas como esse trecho de uma das tantas entrevistas de Grossman:

“Nos artigos políticos que escrevo, tento insistir nas nuances para lembrar que há outra forma de enxergar essa situação e que, como exercício mental, também temos de ver nosso conflito com o olhar de nosso inimigo, porque é o inimigo que vê em nós coisas que preferimos não ver. Não queremos saber quais são os processos destrutivos pelos quais passamos. E dizemos que todos os defeitos dos guerreiros, dos invasores, são coisas que adquirimos apenas durante a guerra. Mas talvez o inimigo veja antes de nós até que ponto esses defeitos do guerreiro, do invasor, se infiltraram em nossos órgãos internos”.

Não vou citar outros autores que li e leio para não fazer listas pretensiosas. É só chamar no Google. Leio os mais variados argumentos, com abordagens que vão do vitimismo ao belicismo e ao cinismo.

E só publico esse trecho de Grossman para que conhecidos que dizem ser meus amigos parem de pedir que eu não escreva mais contra a violência de Israel e o massacre de crianças e mulheres.

Um desses conselheiros me disse que talvez eu não esteja habilitado para tomar uma posição. Me chamou de ignorante, porque ele é bem informado.

E outro me recomendou que eu ficasse ‘neutro, como se isso fizesse sentido. Ser ‘neutro’ e silencioso, porque, dizem eles, essa é uma guerra dos outros.

O argumento básico e repetitivo é o de que qualquer crítica aos crimes dos dirigentes israelenses caracteriza antissemitismo.

É reducionista e cansativo. Peço apenas que eles publiquem o que pensam, que tenham a coragem de expor posições, antes de perder tempo com aconselhamentos desrespeitosos.

Que sejam mais valentes na defesa dos seus pontos de vista e desistam de tentar ser conselheiros. Eu não tomo posição para influenciar ninguém, mas para dizer o que penso.

Aos cretinos vendedores de conselhos, eu ofereço esse, de graça: vão encher o saco dos neutros adoradores do fascismo de Bolsonaro e do seu amigo Benjamin Netanyahu.

____________________________________________________________________

OS CHILENOS
A principal revelação da eleição dos constituintes chilenos é esta: os partidos, mesmo os de esquerda, terão de entender por que a maioria de eleitos é de candidatos independentes.

Eram 155 cadeiras em disputa. Os candidatos independentes elegeram 65 membros (42% do total). Partidos de esquerda ficaram com 53 assentos (34%). E os partidos governistas, ligados a Sebatián Piñera, ficaram com apenas 37 cadeiras (24%).

A direita foi massacrada. Mas é interessante o fenômeno de candidatos sem vínculos com partidos, incluindo muitas mulheres e
indígenas.

O que permite uma pergunta: como seria no Brasil (aqui não há candidato avulso em eleições), onde tudo é feito com base em campanhas caras e sustentadas pela política formal?

Outra observação presente em todas as análises: os chilenos, que foram menos às urnas do que quando do plebiscito para realização da eleição para a Constituinte, parecem ter chegado à exaustão da ação política, dos protestos, dos jovens que perderam um olho com os tiros dos caribioneiros e da capacidade de resistência de Piñera.

O bom é que a direita perdeu não só na composição da Constituinte, mas também nas eleições para governadores, prefeitos e vereadores.

E a nova prefeita de Santiago é a comunista Iraci Hassler, que derrotou o direitista (e candidato à reeleição) Felipe Alessandri.

A nova Constituição, que irá substituir a que vigora desde Pinochet, deve ser escrita em um ano. Por jovens, mulheres e índios.

Uma Constituinte no Brasil hoje elegeria gente da bala, da Bíblia, da grilagem de terras, dos bancos e da boiada.

____________________________________________________________________

HUMOR

3 thoughts on “AOS CRETINOS QUE ME PEDEM PARA SER “NEUTRO”

  1. Grande Moises Mendes!

    Parabéns por trazer a situação dos palestinos à baila.
    Sobre Israel x Palestina, não esqueçamos que o muro é do diabo. E se me permite uma sugestão de leitura: Eu Vi Ramallah, de Mourid Barghouti Ed. Casa Da Palavra.

    Parabéns aos chilenos.

    Há generais da ativa, da reserva e o Pazzuelo, que é da Activia.

    Saudações.

  2. “nEUTRO É DETERGENTE. sOMOS CONIVENTES”, COMO LI OUTRO DIA NA BANDA INTELIGENTE DA iNTERNET. sERVE TANTO AO CONFLITO CRUEL NO oRIENTE mÉDIO QUANTO À ESTUPIDEZ NO bRASIL. e VIVA AS MULHERES CHILENAS E OS HOMENS CHILENOS, QUE NA aSSEMBLÉIA cONSTITUINTE AGORA TÊM O MESMO TAMANHO, SÃO IGUAIS. sERVEM-NOS DE EXEMPLO E NOS CAUSAM INVEJA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 5 =