A GRANDE IMPRENSA É DIVERTIDA

Parem o que estiverem fazendo, parem de piscar e leiam essa, que está na capa do Globo, em chamada da coluna de Merval Pereira, o Rubinho do jornalismo de direita.

Esta é a descoberta do ano sobre Bolsonaro:

“Merval: Acusação de genocídio não é mais retórica, baseia-se em fatos”

E tem mais essa constatação do William Waack em sua coluna no Estadão, sobre a elite que finalmente descobre a indignação:

“Boçalidade de Bolsonaro em Nova York constrange a elite brasileira”

E, para finalizar, mais essa do Globo em que Fernando Henrique faz uma concessão e, num gesto grandioso, inclui o PT numa frente ampla:

“FH defende frente ampla contra Bolsonaro, incluindo PT: ‘Eu não discrimino’

Os tucanos já não têm votos, mas ainda têm humor. FH é muito engraçado.

Como se fosse possível imaginar uma frente ampla só com o Amoedo, o Doria, o Datena e o Mandetta. Daria uma frente ampla com 3% do eleitorado.

____________________________________________________________________

SÓ LENDO
Quando se nega a responder perguntas, na CPI do Genocídio, o lobista Danilo Trento baixa a cabeça, vacila e lê um texto à sua frente:

“Senhor senador, com todo o respeito, vou exercer o direito de permanecer em silêncio”.

Para dizer essa frase, o homem precisa ler o que está escrito no papel. Com algumas variações.

Como um sujeito travado e tão limitado consegue integrar as facções das vacinas e de muitas outras pilantragens de milhões de reais?

Caiu muito a qualidade das quadrilhas com a ascensão da extrema direita ao poder.

__________________________________________________________________

TUDO DEPENDE DO DIA 2
O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, disse que, se fosse para espalhar negacionismo, notícias falsas e coronavírus, Bolsonaro não deveria aparecer na cidade.

Bolsonaro apareceu. Discursou na ONU, andou pela cidade e fez aglomerações sem máscara na frente do hotel, mesmo depois de saber que seu ministro da Saúde estava infectado.

Não aconteceu nada. Bolsonaro faz em Nova York o que faz no Brasil, e nós ficamos debatendo se o ministro infectado cometeu crime ao apontar o dedo do meio para os manifestantes.

Nós estamos discutindo a sério se apontar o dedo é crime, enquanto o número de mortos da pandemia se aproxima de 600 mil, a miséria aumenta e o país já está quebrado.

Até agora, nem a ONU, nem o prefeito de Nova York conseguiram segurar Bolsonaro. É provável que Bolsonaro circule por Cabul, no meio dos talibãs, e não aconteça nada.

Só quem pode conter Bolsonaro é o povo. Se o povo não for às ruas no 2 de outubro, não adianta ficar falando mal do Supremo, do Congresso, da ONU e do dedo infectado do Queiroga.

____________________________________________________________________

Já é uma das fotos do ano, da ocupação dos sem teto, sem comida e sem emprego na Bolsa de Valores de São Paulo.

O Globo dá na capa como reprodução do Twitter do MTST. É foto que deveria ter o nome do autor em destaque.

One thought on “A GRANDE IMPRENSA É DIVERTIDA

  1. Eu sempre tive grande respeito por merdal Pereira , William Vaca , Alexandre Garcia e o mainardi dos pampas. O respeito se deve ao esforço que devem ter feito para atingir tamanho grau de imbecilidade . Numa escala um pouco mais baixa do que aquela atingida pelo Senador Heinze.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 7 =