O QUE O URUGUAI TEM QUE NÓS NÃO TEMOS

Vale a pena rever essa cena, enquanto o Brasil constata, diante de mais de cem mil mortos, que Bolsonaro seguirá adiante com seus crimes, sem que ninguém consiga detê-lo.

É uma foto de 26 de maio. Luis Alberto Lacalle Pou deixa a residência de Tabaré Vázquez com um caderninho na mão.

O atual presidente, de direita, vai ao encontro do ex-presidente, de esquerda, para ouvi-lo sobre como combater a pandemia.

Sem seguranças, sem assessores para tomar nota, sem medo de ser atacado pelos dois lados.

Lacalle Pou foi ouvir um médico, mesmo que Tabaré não seja especialista em saúde pública.

Mas o que ele foi fazer mesmo é mandar um recado aos que depois veriam a foto: o que eu fizer contra a pandemia tem, no que é essencial, o apoio do meu adversário político.

O Uruguai teve uma das ditaduras mais ferozes nos anos 70 e 80. O pai de Lacalle Pou, o ex-presidente Luis alberto Lacalle, já fora da política, foi um conservador correto e democrata, líder do partido Nacional, dos blancos.

O Brasil não tem mais essas figuras de centro-direita com a grandeza dos Lacalle, por mais que se discorde das suas posições políticas.

Essa direita civilizada tem o direito de compartilhar até com adversários o êxito do controle da peste.

Desde o começo da pandemia, sem fazer lockdown, mas com altos índices de isolamento, o Uruguai teve 1.364 casos de Covid-19, com apenas 37 mortes.

Do total de infectados desde o começo, 256 são médicos, enfermeiros e outros profissionais da saúde, o que é um índice considerado alto. Mas somente um deles morreu, segundo o jornal El Pais.

Atualmente, há 181 casos de infectados no Uruguai. Ontem, em todo o país, as UTIs estavam ocupadas por quatro pessoas. Quatro.

A pandemia não é mais manchete dos jornais uruguaios, mas há uma preocupação. Todos os dias 24 de agosto o país faz a Noite da Nostalgia.

Clubes, bares, restaurantes, boates e casas têm uma das maiores lotações do ano, quando todos os lugares só tocam músicas antigas.

É uma tradição que vem desde 197 e cai na véspera do 25 de agosto, feriado da independência.

Liberar ou não a Noite da Nostalgia? Esse é o grande debate no Uruguai hoje. A previsão é de que Lacalle Pou não irá liberar.

E não haverá uma extrema direita organizada e com expressão para tentar boicotá-lo e jogá-lo contra parte da população que deseja a festa.

Os Bolsonaros do Uruguai estão sob controle.

(A imagem acima é da Adhoc fotos, uma cooperativa de fotógrafos e documentaristas de Montevidéu)

___________________________________________________________________

UM CAMINHÃO DE AJUDA
O governo brasileiro vai enviar a Beirute seis toneladas de alimentos e remédios.

As doações serão transportadas por uma aeronave KC-390, que levará a missão humanitária.

Se fosse possível levar por terra, as doações do Brasil para os libaneses caberiam nesse caminhãozinho da foto.

Mas a missão humanitária do governo tem 13 pessoas, incluindo políticos, empresários e militares.

Se fossem dividir o peso das doações entre cada integrante da comitiva, seriam menos de 500 quilos para cada um.

O avião terá mais malas dos emissários de Bolsonaro do que doações.
O chefe da missão é o jaburu Michel Temer, que pesa uns 80 quilos, contando a tornozeleira.

__________________________________________________________________

ADJETIVOS
Gilmar Mendes foi condenado, em primeira instância, a indenizar Deltan Dallagnol em R$ 59 mil por ter chamado o procurador e os colegas da Lava-Jato de cretinos, crápulas, gentalha desqualificada e despreparada, covardes, gângsteres, gente baixa, organização criminosa, voluptuosos, voluntaristas, espúrios, infelizes, reles, patifaria e vendilhões do templo.

Só faltou chamar Dallagnol de palestreiro e criador de mandalas de PowerPoint. Cabe recurso.

___________________________________________________________________

One thought on “O QUE O URUGUAI TEM QUE NÓS NÃO TEMOS

  1. Caro Moisés.

    Sei que você é profundo conhecedor da realidade política uruguaia e argentina, mas não se iluda, o governo de Luis Alberto Lacalle (o ex presidente) foi marcado pela corrupção, o neoliberalismo selvagem e o permanente atropelo aos direitos humanos. Não sei se você já escutou falar da chamada ‘Massacre do Hospital filtro’.

    Concordo com você em que aqui no uruguai prima o comportamento democrata, mas os lacalle são a mais clara expressão da oligarquia rançosa uruguaia.

    Com se diz aí no brasil, a diferença é que é uma direita que sabe utilizar os talheres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


7 + 2 =