O CARNICEIRO LIBERTADO PELA PANDEMIA

Os argentinos enfrentam mais um dilema que os brasileiros nunca terão: a libertação de criminosos da ditadura, porque são na maioria idosos na faixa de risco da pandemia.

No Brasil, não há quem libertar, porque assassinos e torturadores foram anistiados e sempre ficaram soltos. Brilhante Ustra, ídolo de Bolsonaro, morreu em liberdade em 2015.

Muitos outros continuam vivos, alguns talvez em Porto Alegre, onde os torturadores atuavam com dedicação. Devem estar em clausura em casa. Na Argentina, eles estão em isolamento nas cadeias.

O carniceiro que estava na capa do Página 12 ontem é Carlos Octavio Capdevila. Prestou serviços aos ditadores nos anos 70 e 80, como jovem médico e capitão de corveta na Esma, a Escola de Mecânica da Marinha.

A Esma era a maior masmorra e o centro de tortura de Buenos Aires. Recebeu mais de 5 mil presos políticos, entre os quais muitas mulheres grávidas.

Capdevila, o terrível Tommy, tem 74 anos e foi condenado a 45 anos de prisão em vários julgamentos por crimes de lesa humanidade. Está em casa com tornozeleira eletrônica.

Era o parteiro da unidade, o médico obstetra que cuidava das presas políticas grávidas.

Foi o ‘médico’ de mulheres e crianças desaparecidas logo depois do parto. Foi condenado por acobertar torturas e participar de assassinatos e desaparecimentos. Tommy roubava os bebês de mães que seriam assassinadas e os entregava para amigos da ditadura.

Era ele quem orientava os torturadores a calibrar o grau de violência nas torturas, de acordo com a condição física do preso. Milhares morreram por ‘erro médico’ de Capdevila.

A promotoria tentou evitar a libertação do criminoso, mas a Justiça alegou que ele está com câncer de próstata, tem pressão alta e problemas motores.

Capdevila nunca se arrependeu do que fez. Aqui no Brasil os criminosos da ditadura nunca ficaram diante de um juiz, para ter a chance de manter a defesa dos crimes que cometeram.

O Brasil é o único país da América Latina a eleger um admirador declarado e repetitivo de ditadores e torturadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


3 + 3 =