AS LIÇÕES DE PATRICIA ARCE E DOS BOLIVIANOS AOS BRASILEIROS

Quem estiver distante do que acontece na Bolívia estará distanciado da compreensão das possibilidades e consequências de um golpe no Brasil. O que acontece na Bolívia é muito interessante e educativo. Havia uma preocupação generalizada, dentro e fora da Bolívia, com a hipótese de um acordo nacional produzir uma espécie de trégua que deixasse impunes

NÃO PODEMOS PARAR DE FALAR DOS TORTURADORES

Bolsonaro voltou a debochar das torturas sofridas por Dilma Rousseff, e Gilmar Mendes o advertiu de que esse é um dos crimes imprescritíveis. Isso quer dizer o quê? Na Argentina e no Chile (e até no Uruguai, onde também houve anistia), pode querer dizer que os torturadores serão julgados e presos. No Brasil, Mendes sabe

O QUE MIRIAM LEITÃO NÃO DISSE SOBRE DILMA ROUSSEFF

A jornalista Miriam Leitão fez uma concessão a Dilma Rousseff, com quem discorda de quase em tudo. São discordâncias de fundo, não de superfície, porque envolvem questões fundamentais da política, da economia, das relações humanas e dos compromissos com a democracia e o povo. Mas Miriam Leitão mostrou que concorda com Dilma em uma questão.

DILMA E A TORTURA QUE NÃO TEM FIM

Os jornais destacam que Fernando Henrique Cardoso se solidarizou com Dilma Rousseff, depois das declarações de Bolsonaro debochando dos que sofreram torturas na ditadura. Bolsonaro debochou de Dilma Rousseff e de todos os torturados. E FH reagiu. Parece um grande feito. Se FH reagiu, merece manchete. Deve ser porque só reagiram Fernando Henrique, Lula, políticos

NÃO PERDOEM DE NOVO OS TORTURADORES

A história dessa mulher, que já foi recontada em todo o mundo, aciona um questionamento histórico e sempre controverso: o esforço pela reconciliação política, depois de desfeito um golpe, como ocorreu agora na Bolívia, deve poupar autores de violências como essa? Maria Patricia Arce Guzman, a prefeita de Vinto, em Cochabamba, teria o direito de

PRECISAMOS CONVERSAR SOBRE OS TORTURADORES

Só no Brasil, em toda a América do Sul, um vice-presidente da República é capaz de elogiar um torturador como se fosse um herói nacional. Tudo porque aqui os assassinos da ditadura, entre os quais Brilhante Ustra, elogiado por Hamilton Mourão, ficaram impunes. Mas começam a surgir iniciativas no sentido de julgar e condenar os

A PROFESSORA, A MÃE, O JUIZ E OS TORTURADORES

A professora Elena Cándida Quinteros era militante anarquista e tinha 31 anos quando foi presa e desapareceu de uma unidade do Exército em Montevidéu, em junho de 1976. Quem aparece na foto carregando o cartaz com seu nome em uma manifestação em Montevidéu, nos anos 80, é sua mãe, dona Tota Quinteros. Tota foi uma

O DRAMA DE PEPE MUJICA

Não está fácil a vida das esquerdas latino-americanas. Até José Pepe Mujica foi arrastado para o centro de uma controvérsia no Uruguai, onde nos últimos anos a imprensa e os familiares de desaparecidos voltaram a remexer nos armários da ditadura. A Frente Ampla de Mujica está sendo cobrada pela própria esquerda (e claro que até

OS CADÁVERES DA DITADURA URUGUAIA

Os uruguaios não param de encontrar cadáveres e identificar os assassinos da ditadura dos anos 70 e 80, enquanto no Brasil os torturadores são elogiados por quem está no poder. Agora, as informações que estão impactando o país e não saem das capas dos jornais tratam das confissões do coronel reformado Gilberto Vázquez (na foto

PRECISAMOS FALAR DA CASA DA MORTE

Deve ser lida sem pressa, como lição de História, a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal contra três agentes da ditadura acusados do sequestro, da tortura e do desaparecimento do advogado Paulo de Tarso Celestino da Silva, em 1971. Silva foi levado pelos torturadores para o prédio que ficou conhecido como a Casa da Morte,