Por que a Folha e a velha direita se bolsonarizaram

Bolsonarizar-se não é apenas aderir a Bolsonaro, mas também oferecer-se como base e agarrar-se ao que resultou de quatro anos de fascismo no poder.

A índole e o espírito da extrema direita são o que interessa, não a figura que os sustentam. Bolsonarizar é um verbo, é uma ação muito mais pragmática do que ideológica.

Preste atenção no caso da Folha. Dizer que a Folha virou bolsonarista não é o mesmo – é preciso esclarecer a alguns jornalistas – que dizer que o jornal passou a ser seguidor de Bolsonaro.

Não é nada disso. O bolsonarismo deixou de ser algo com conexão direta com seu criador e já é uma criatura com vida própria, pela desistência de outras alternativas.

A velha direita bolsonarizou-se ao se acomodar na extrema direita, invertendo o que a História nos contava.

Aprendemos com a ajuda da teoria dos conjuntos, na quinta série, que extremos estavam dentro dos grandes espaços políticos e sociais, principalmente do centro, mais à direita ou mais à esquerda, porque eram menores do que os redutos que ocupavam, ou não seriam extremos.

Hoje, é a direita tradicional que se acomoda dentro da extrema direita e dela se serve para se proteger dos medos que a atormentam.

Não é caricatura, é medo real, é o sentimento da classe média branca de que seu espaço no mundo, achatado entre os pobres que subiam e os ricos que ficavam mais ricos, não oferecia outra saída.

A saída era bolsonarizar-se. A classe média que um dia até progressista foi desistiu dos seus planos e suas utopias humanistas por causa das dores da decadência.

E se acomodou ao lado de quem talvez pudesse defendê-la de mais perdas. Por isso o bolsonarismo não é a expressão do que ainda possa ser Bolsonaro. Não é um adjetivo, nem um substantivo, é o verbo.

Bolsonarizar-se independe de concordar com o pensamento raiz de Bolsonaro, Damares Alves ou Magno Malta.

Estar bolsonarista é movimentar-se e aderir a uma ideia e suas circunstâncias a partir do que Bolsonaro criou. E agir com vontade bolsonarista.

Por isso a Folha está bolsonarista e esconde há uma semana o que toda a mídia noticia sobre as joias.

Por isso a Folha publica editoriais dizendo que o bolsonarismo pode ser uma alternativa saudável na democracia.

Não, a Folha não concorda com a guerra dos costumes, com a exaltação da tortura, com os ataques a gays. Nem vai bater continência para Bolsonaro. Nada disso.

A Folha é bacana e descolada. O jornal só concorda com a essência do bolsonarismo de resultados, esse que também mobiliza Roberto Campos Neto e Arthur Lira.

Porque a Folha imagina que o bolsonarismo pode existir sem Bolsonaro e é até melhor que seja assim.

Que fique a sua essência política e econômica e fiquem também suas crueldades, porque é preciso fazer concessões morais, ou o bolsonarismo não seria bolsonarismo.

O bolsonarismo é, na era quase pós-Bolsonaro, o que resta no curto e no médio prazo à direita no combate a Lula.

Só é possível enfrentar Lula se o bolsonarismo sobreviver, depois que Bolsonaro for tornado inelegível pelo TSE.

O bolsonarismo político e econômico serve à Faria Lima, aos empresários, a grileiros, a garimpeiros, militares e milicianos.

Há uma desistência de saídas ao centro ou à direita, com as referências e bases que existiam até antes da eleição de Bolsonaro.

Todos estão ao lado de Roberto Campos Neto com os juros altos. Todos querem a volta do orçamento secreto gerido por Arthur Lira.

Todos defendem a paridade internacional dos preços da Petrobras. Ninguém entre eles quer saber de SUS ou de universidade pública.

Claro que não são pautas do liberalismo, são trincheiras do bolsonarismo. A direita brasileira desistiu de ter vida própria e passou a depender do que o bolsonarismo lhe entrega.

Por isso ninguém se sensibilizou com o alinhamento de Armínio Fraga, Pedro Malan e Fernando Henrique a Lula nas eleições.

Porque nenhum deles fala mais em nome dessa direita que admira Paulo Guedes e segue a boiada de Ricardo Salles.

O que interessa a eles hoje é a sabotagem do governo Lula no nascedouro, para que as eleições municipais comecem a devolver a perspectiva de volta ao poder ou de um golpe.

Isso é bolsonarizar-se. É admitir que o bolsonarismo deixou de ser provisório.

A Folha que não dá mais Bolsonaro na capa e que produz manchetes diárias contra Lula quer a audiência e a fidelidade desse público, porque o jornal é parte decisiva da sobrevivência do bolsonarismo sem Bolsonaro.

A extrema direita passa a ser hospedeira permanente da direita. É triste para quem já teve Fernando Henrique como guru e hoje pensa e se comporta sob as ordens de Valdemar Costa Neto.

O novo Projeto Folha é a defesa da bolsonarização permanente, com vários estágios e hierarquias, de pelo menos um terço dos brasileiros. É a decadência indigna.

2 thoughts on “Por que a Folha e a velha direita se bolsonarizaram

  1. Sinto asco do bolsonarismo.
    Pessoas defendem ppi do petróleo e querem combustível barato.
    Povo fodido e defendendo esse movimento nojento de merda.
    Pseudo-cristao pentecostal defende essa FAMIGLIA e seus asseclas incendiários enqto o biroliro fala em arma e bala para disfarçar seus roubos.
    E falam isso em nome de não termos a volta do comunismo no nosso Brasil. Comunismo É o kralho.
    PAÍS só tem tragédia e o povo querendo esse lixo de volta depois desses caóticos 4 anos .
    Perdoem-me o palavreado. É só um desabafo. Já deu ter que aguentar calado.
    É mais FÁCIL para eles estragar.
    Agora, diante do estrago, está aí a dificuldade do novo governo para arrumar tudo com as mãos atadas.
    Tem muitos passando fome e outros MILHÕES desempregados.
    Esse lixo de folha de sp só quer é $$ com o novo negócio que tem no mercado financeiro. O jornaleco é só o megafone disponível para passar o recado.

  2. O que A Folha é? É o que estiver em jogo para eliminar o PT: ela era tucana e aderiu à narrativa do “mensalão”, depois foi lavajatista e agora é bolsonarista. Pode ser que um dia ela vire Eduardo Leite ou Zema ou Tarcísio. O problema é que Eduardo Leite, Zema e Tarcísio são PIORES do que o Bolsonaro.

    Bolsonaro não tinha vontade política nenhuma para impor uma agenda neoliberal completa, mesmo tendo maioria no Congresso, um ministro da economia idolatrado pela mídia e um bom número de fascistas nas ruas. Note-se que o Banco do Brasil, a Caixa e a Petrobrás não foram privatizados – quase não se discutiu isso no governo sem vontade dele. Os aumentos dos combustíveis o incomodavam, porque os caminhoneiros pertenciam à sua base de apoio. Ele tentou vencer as eleições com um “Auxílio Brasil” e na pandemia ainda ofereceu algum tipo de auxílio.

    Leite e Zema não teriam mexido uma palha para baixar o preço dos combustíveis e não dariam R$ 600,00 para ninguém, mesmo se fosse para vencer as eleições (Tarcísio ainda é uma incógnita). Eles não teriam feito nada disso, porque são neoliberais radicais, mais do que o Bolsonaro, um político populista do Centrão.

    Mas como se pode ter certeza disso, de que seriam piores? Basta ver o que o Zema está fazendo em Minas Gerais. Não acompanho muito o governo Leite, mas ele foi mais bolsonarista do que o próprio Bolsonaro, tendo exigido do Dória que não trouxesse a coronavac para não atrapalhar o governo (Dória disse isso à Folha na época das prévias do PSDB). Ele ainda fez uma reforma da previdência no estado do Rio Grande do Sul que tira 28% dos vencimentos dos aposentados! Um crime que seria chocante até para o pinochetista Paulo Guedes.

    Todo serviço público que ainda funciona no Estado de São Paulo está na mira do carioca Tarcísio. O ódio dele é insano, a ponto de ele dar machadadas no lugar do martelo ao vender o pateimônio público no balcão da Bolsa de Valores B3.

    Nada pode ser tão péssimo que não pode virar o inferno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 9 =